AP
AP

McCartney e Ringo fazem show em NY em prol da meditação

Encontro histórico de ex-Beatles será em benefício de fundação que quer levar a meditação às escolas

EFE,

03 de abril de 2009 | 19h14

Os ex-Beatles Paul McCartney e Ringo Starr vão cantar juntos neste sábado, 4, no Radio Music Hall de Nova York. O encontro é histórico, pois desde a dissolução do famigerado quarteto de Liverpool eles nunca mais tocaram juntos. McCartney e Ringo participaram hoje de uma entrevista coletiva ao lado do cineasta norte-americano David Lynch para promover o ensino da meditação aos jovens nas escolas. Lynch mantém uma fundação com esse objetivo.

 

Veja também:

link Homem invade centro de imigração no Estado de NY e mata 13 pessoas 

 

"O que faz David Lynch com sua fundação é algo maravilhoso, já que permite às crianças e jovens experimentar com a meditação algo que sem sua ajuda não poderiam fazer", disse McCartney sobre o trabalho do cineasta para promover a chamada "meditação transcendental" nas escolas em prol de uma sociedade mais pacífica.

 

Na entrevista coletiva que reuniu McCartney, Ringo e Lynch, o diretor de Mullholland Drive e Blue Velvet apresentou vários estudos que falavam da eficiência da meditação para reduzir os níveis de stress e agressividade nos jovens e melhorar o aprendizado.

 

"Desde que descobri a meditação graças a Maharishi (Mahesh Yogi) tenho praticado em muitas ocasiões. É um presente que ninguém vai poder tirar de mim", disse Ringo, que lembrou o indiano que criou a "meditação transcendental" e cuja prática foi divulgada em países como os Estados Unidos, Reino Unido, México e China.

 

Os ex-Beatles se lembraram da época em que o famoso quarteto inglês se deixou cativar pela meditação em uma viagem que fizeram à Índia e onde viram, entre outras coisas "as consequências da lepra na população no final dos anos 70", disse McCartney.

 

"Foi um presente muito especial que recebemos de Maharishi naquele momento em que buscávamos algo que nos estabilizasse no final dos loucos anos 60", acrescentou McCartney, que se mostrou entusiasmado com o possibilidade da meditação transcendental chegar a um público mais amplo.

 

Lynch aproveitou a coletiva para anunciar seu objetivo de que os programas de sua fundação promovendo o ensino entre estudantes, pais e educadores dos Estados Unidos, América Latina, Oriente Médio e África cheguem agora a "um milhão de jovens".

 

"A meditação já não tem nada a ver com a mística nem é um movimento 'new age'. Há uns 600 ou 700 estudos que mostram que é algo bom para os seres humanos", disse Lynch, que insistiu "se ensinarmos meditação para jovens em escolas com problemas logo veremos uma mudança de 180 graus no comportamento dos estudantes".

 

O show beneficente que reunirá os únicos Beatles vivos no palco em uma noite em que também se apresentarão estrelas como Sheryl Crowe, Moby, Ben Harper e Mike Love, membro dos Beach Boys, terá renda destinada à Fundação David Lynch.

 

Desde 2005 essa fundação formou mais de 60 mil pessoas e financiou a pesquisa universitária dos benefícios da "meditação transcendental" sobre o estresse, a aprendizagem e o comportamento.

Tudo o que sabemos sobre:
McCartneyRingo Starr

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.