Max de Castro mostra sua elogiada salada de ritmos

Max de Castro vai protagonizar amanhã o último encontro musical do ano promovido pela Gravadora Trama. O cantor, compositor, produtor e arranjador leva ao Blen Blen Brasil a mistura de ritmos - samba, música eletrônica, black music, rap e bossa nova - que lhe rendeu o prêmio revelação da Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA) neste ano. O Trama ao Vivo, projeto que reúne artistas da gravadora no Blen Blen às quartas-feiras, retorna às atividades em março de 2001. Samba Raro, primeiro álbum de Max de Castro lançado este ano, será a base do show. Entre as músicas do repertório, estão Outro, Ela Disse Assim.... A apresentação contará com participações especiais, mas nenhum nome foi confirmado. "Chamei o DJ Marky, o André Abujamra, mas não sei se eles vêm", disse Castro. Nascido no Rio, mas morando em São Paulo desde os 3 anos de idade, o filho de Wilson Simonal foge de shows burocráticos. A fórmula para isso é inovar nos arranjos. "Show é uma coisa legal, parece que sempre estou começando do zero." Segundo o músico, que ainda não definiu seu novo trabalho, o surgimento de novos talentos no cenário musical mostra como o ano foi rico para a música brasileira. "2001 vai ser o ano da consolidação", afirma o cantor. Sobre o seu futuro, Castro diz que a única certeza que tem é de que vai continuar produzindo, compondo e discotecando. Profissional versátil? "Artista da minha geração não fica de robe tomando uísque na cobertura", disse. Outra certeza é continuar o trabalho de cultivo e reinvenção de suas influências musicais, que vão de Geraldo Vandré a Jorge Ben Jor. Entre os músicos que admira da nova safra, Castro lista nomes como Jairzinho, Funk Como Le Gusta e os DJs Ramilson Maia e Patife. O pai, Wilson Simonal (morto este ano), também não fica de fora. "Seria importante para mim, mesmo se não fosse meu pai." Aos 28 anos de idade, Max começou sua carreira musical em 92, quando montou a banda Confraria com Pedro Mariano e Daniel Carlomagno. Max de Castro - Amanhã, às 23 h. No Blen Blen Brasil (R. Inácio Pereira da Rocha, 520, tel.: 3815-4999). R$ 10.

Agencia Estado,

19 de dezembro de 2000 | 10h42

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.