Max de Castro faz pocket show em SP

Para quem quiser conferir o novo trabalho de Max de Castro em seu recém-lançado Orchestra Klaxon, o pocket show que o músico faz hoje às 19h30 (seguido de noite de autógrafos) na livraria Fnac, é uma boa oportunidade. Ao contrário de Samba Raro - que lhe rendeu uma capa da revista norte-americana Time em 2001 - no qual compôs, produziu, fez arranjos, tocou e cantou sozinho, o segundo disco do filho de Wilson Simonal está repleto de parcerias com representantes das mais diversas vertentes da música brasileira.A faixa Mais Uma Vez, por exemplo, tem participação de JT Meirelles, Sérgio Barroso, Wilson das Neves e do maestro Sérgio Carvalho. Quem assina a letra de Linha do Tempo é Fred Zero Quatro, da Mundo Livre S/A.As parcerias do CD não terminam aí. No samba Sonho de Verão, Nelson Motta compôs com o cantor. Com Marcelo Yuka, da banda O Rappa, fez Os Óculos Escuros de Cartola). A Vida Como Ela Quer conta com os sintetizadores de Fábio Fonseca. A eletrônica também marca presença em Mais Uma Vez, o Amor, parceria com a dupla Drumagick. Nego do Cabelo Bom tem letra de Seu Jorge e participação de Paula Lima. E ainda sobra espaço para A História da Morena Nua Que Abalou as Estruturas do Esplendor do Carnaval, com o eterno tremendão Erasmo Carlos.A diversidade de instrumentos, no entanto, é característica que permanece neste novo disco. São violinos, pandeiros, metais e ganzás que se fundem ao som de scratches e bases eletrônicas.Homenagem ao Modernismo - Pelo nome das faixas e pelas parcerias que realizou, dá para perceber que Max faz sua homenagem a vários elementos da cultura brasileira. Mas o nome do CD já é, por si só, o tributo que Max quer prestar. Orchestra Klaxon recupera o nome da revista literária modernista fundada em maio de 1922, como conseqüência direta da Semana de Arte Moderna, calcada no rompimento com as técnicas acadêmicas e na atualização da arte brasileira inspirada em pesquisas de mitos e manifestações da cultura popular.O nome vem a calhar, já que o movimento artístico completa em 2002 seus 80 anos, e várias são as exposições na cidade que trazem de volta acervos produzidos na época. Rebolo - 100 Anos no MAM, Operários na Paulista, na Galeria do Sesi, e Murilo Mendes 1901-2001, no Museu Lasar Segall, são algumas delas.Max de Castro. Hoje, às 19h30. Fnac (Av. Pedroso de Morais, 858, tel.: 3097-0022). Grátis.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.