Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE
REUTERS/Valentyn Ogirenko
REUTERS/Valentyn Ogirenko

Mascarada, orquestra ucraniana faz gravação de concertos após isolamento

Os músicos usavam máscaras protetoras combinando com suas vestimentas black-tie e tiveram que seguir regras de distanciamento social

Agências, Reuters

19 de maio de 2020 | 16h25

KIEV - A orquestra sinfônica da rádio ucraniana realizou sua primeira gravação de concerto para plataformas de TV, rádio e online desde que as regras de isolamento devido ao coronavírus foram parcialmente atenuadas no início de maio.

Os músicos usavam máscaras protetoras combinando com suas vestimentas black-tie. Embora dois deles usualmente compartilhem um estande de música, eles tiveram que seguir regras de distanciamento social e isso afetou o desempenho da orquestra, disse o diretor de arte Volodymyr Sheyko à Reuters.



“Agora é difícil, porque eles não sentem o ombro um do outro, não sentem o cotovelo de um amigo. Algumas conexões foram quebradas por causa da distância e também por causa das máscaras, porque algumas mensagens inconscientes são expressas no rosto das pessoas durante a performance e os músicos reagem a elas”, disse Sheyko.

Fundada em 1929, a orquestra sinfônica da rádio ucraniana pertence à emissora pública estatal UA: Suspilne, que une dois canais de TV totalmente ucranianos, quatro estações de rádio e divisões regionais.

Como a orquestra produz principalmente conteúdo para rádio e TV, seus músicos estão conseguindo tocar novamente, ao contrário de seus colegas cujos concertos para o público ao vivo ainda estão proibidos.

Sheyko afirmou que a indústria da música está em um impasse por causa da situação.

“Muitas bandas de música costumavam viver com a venda de ingressos, todas as bandas comerciais, organizações comerciais e até salões filarmônicos que não são totalmente cobertos pelo orçamento do Estado”, disse ele.

“É por isso que existe um problema. É um problema de perda, perdas nacionais porque não há nação sem cultura”, completou ele.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.