JF Diório/ Estadão
JF Diório/ Estadão

Maroon 5 se especializa em substituir artistas no Rock in Rio

Lady Gaga, que cancelou a apresentação que faria na sexta-feira, 15, não foi a primeira a ser substituída pela banda de Adam Levine 

Pedro Antunes , O Estado de S.Paulo

14 de setembro de 2017 | 16h39

Roberto Medina tem um curinga no seu jogo. E ele, definitivamente, atende pelo nome de Maroon 5. A  banda liderada por Adam Levine é, pela segunda vez, chamada para tapar um buraco gigantesco na programação do festival carioca. 

Desta vez, o artista a cancelar a apresentação foi a cantora Lady Gaga. O anúncio se deu nesta quinta-feira, 14, na véspera da performance dela - na noite que também se marcava o início do festival. 

Em um comunicado enviado à imprensa, a organização do Rock in Rio informa que "devido a fortes dores, Lady Gaga está impossibilitada de fazer apresentações", diz o texto. 

"Por isso, o Rock in Rio lamenta informar o cancelamento de seu show nesta sexta-feira, dia 15. A cantora, que está sendo submetida a um tratamento por profissionais médicos especializados, enviou através do festival seu carinho para todos os fãs e agradecimento pelo apoio e compreensão."

As dores referidas no comunicado são um problema crônico que Lady Gaga tem nos quadris (fibromialgia), algo que já afetou a cantora em outras oportunidades. 

Diante da falta de tempo hábil para convocar outro artista de grande porte, o festival chamou o Maroon 5, atração principal do segundo dia de Rock in Rio, o sábado, 16, para ocupar a vaga de Lady Gaga. 

Com isso, o Maroon 5 é pela segunda vez o curinga dos Medina (Roberto e Roberta, pai e filha, organizadores do Rock in Rio). Em 2011, é bom lembrar, a banda foi chamada o rapper Jay Z, que também precisou cancelar sua apresentação. 

Na época, contudo, o Maroon 5 crescia em popularidade com a força do single Moves Like Jagger e foi chamado com dois meses de antecedência. Desta vez, foram pouco mais de 24 horas antes de subir ao palco. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.