Mark Sandman, em produção póstuma

Caso não tivesse sido vítima de um ataque cardíaco que o abateu em frente dos fãs italianos no início de julho do ano passado, Mark Sandman voltaria ao Brasil. O Morphine, trio do qual ele era líder e baixista de um inusitado instrumento de duas cordas, estava confirmado como uma das atrações da edição 1999 do Free Jazz Festival. Infelizmente, os brasileiros não tiveram tempo de revê-lo. Em 1984, durante uma viagem easy rider pela América do Sul, o músico chegou ao Rio e morou nos bairros de Copacabana e Santa Teresa. Não há registros de incursões musicais e para financiar a temporada brasileira Sandman trabalhou como operário da construção civil.Apesar da dureza daqueles tempos, o músico guardava ótimas recordações. "Ele vivia contando histórias do Brasil e de seus empregos temporários; ele adorava as pessoas, os lugares e principalmente a música", conta o baterista Bill Conway em entrevista. Conway descia o braço nas peças de sua bateria quando presenciou a queda de Sandman naquele 3 de julho. A banda apresentava-se para 20 mil pessoas na cidade de Palestrina, próxima a Roma. "Foi uma situação esquisita, Mark não costumava jogar-se ao chão, eu quis acreditar que fosse parte de uma performance, ou coisa parecida", lembra ele. "Ficamos atônitos.´´A banda tinha acabado de finalizar as mixagens do álbum The Night (lançado no Brasil pela gravadora Trama), um trabalho elaborado, em que as características singulares de banda foram levadas a outras esferas. O disco gravado inteiramente no estúdio caseiro de 16 canais de Sandman traz, além do baixo, bateria e sopros, uma gama de instrumentos que vão do trombone até a guitarra de três cordas passando por órgãos e violões. O tecladista John Medeski, do trio vanguardista Medeski, Martin & Wood, que acabou vindo para o Free Jazz Festival do ano passado, é o convidado especial e aparece em três músicas. "Definitivamente é o nosso melhor álbum´´, diz Conway, lembrando que as gravações duraram dois anos. "Nunca ficamos tanto tempo no estúdio.´´A fatalidade não impediu que o disco póstumo fosse divulgado. E ainda que Conway e o saxofonista Dana Colley não houvessem ainda curado as feridas, reuniram antigos colaboradores de Sandman e músicos da cena de Boston, cidade natal da banda, para uma série de shows em sua homenagem.A Orchestra Morphine fez a turnê de lançamento de The Night pela Europa. Ao todo foram 45 shows. A formação do noneto tinha as vocalistas Christian McNeill e Laurie Sargent, o tecladista Evan Harriman, o saxofonista Russ Gershon, o trombonista e trompetista Tom Halter, o baixista Mike Rivard e o primeiro baterista do Mophine, Jerome Deupree. "Era no mínimo emocionante´´, diz o baterista. ´´Nossa big band funcionou como uma família que se encontrava todas as noites para celebrar a memória de Mark Sandman." Ainda nas homenagens, Conway e Colley são responsáveis pelo Fundo Mark Sandman de Educação Musical, projeto social voltado aos alunos das escolas primárias de Boston. "Organizamos shows beneficentes com renda revertida para as escolas públicas." A idéia é despertar o interesse musical nas crianças. Um dos últimos eventos, e porque não dizer o mais emblemático, foi realizado no dia 24 de setembro, data em que Sandman completaria 48 anos.A produção póstuma continua. No início de outubro saiu o disco Morphine: Bootleg Detroit(Ryko), registro pirata de uma apresentação no St. Andrew´s Hall em Detroit durante a turnê do segundo álbum da banda, Cure for Pain (1993). "Um fã nos enviou a fita (gravada em 7 de março de 1994) no exato momento em que discutíamos a possibilidade de lançar alguma coisa ao vivo", diz Conway. "É um material bruto, não demos nenhum tipo de tratamento em estúdio; trata-se de um retrato fiel de como soávamos no palco.´´ A gravadora Trama promete uma edição nacional do álbum para breve.O baterista lembra que, como o Morphine era uma banda que ensaiava e gravava discos em estúdio próprio, sobras de gravação e músicas inéditas podem vir à tona a qualquer momento. "É ainda doloroso ficar vasculhando as fitas, registrávamos tudo, sei que há muito material interessante.´´

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.