Marisa estreou pela mão de João Gilberto

João Gilberto considerava MarisaVértulo Brandão uma das vozes mais belas do mundo. Foi pelasmãos dele que ela chegou à bossa nova. E estreou no disco, em1953, aos 20 anos, cantando uma das raras composições docompositor bissexto, Você Esteve com Meu Bem, parceria deJoão com Russo do Pandeiro.Marisa virou Gata Mansa por causa do jeito aspirado defalar, quase como quem sussurra - emissão muito diferentedaquela revelada pelo canto, voz vigorosa, potente, meio-sopranode timbre quente e liso.Foi uma das mulheres mais belas de seu tempo. "Eu nãogostava de praia; ia para ver a Marisa", contou, uma vez, umcompositor famoso, que preferiu, entretanto, não ter o nomerevelado. Morena de olhos claros, corpo do tipo violão, simpatiairradiante, talento imenso, honestidade profissional a todaprova - Marisa tinha todas as qualidades que se possa exigir deum artista.Cantora de boate durante praticamente toda a vidaprofissional, Marisa começou cantando jazz e em pouco tempo -antes de alcançar a maioridade - era crooner do Golden Room doCopacabana Palace, posto que ocupou por quatro anos.Tornou-se amiga íntima de Dolores Durán, que era amigade João Gilberto - e João ouviu Marisa cantando, em 1954.Levou-a para a boate Midnight e, depois, para as casas do Becodas Garrafas, em Copacabana, onde a bossa nova ia sendoinventada.Marisa era um sucesso. Lotava casas e tinha admiradoresfervorosos - mas, curiosamente, seus discos, não muitos, mastodos ótimos, nunca repetiam o êxito obtido em cena. Marisa teveum grande sucesso, em 1964, quando gravou a canção Viagem.Aquela de versos assim: "Ah, tristeza me desculpe, estou demalas prontas, hoje a poesia veio ao meu encontro..."Com Viagem, lançavam-se dois brilhantes compositores: oviolonista João de Aquino (primo de Baden Powell) e o letristaPaulo César Pinheiro, que, quando escreveu aqueles versos, nãotinha feito ainda 15 anos.No fim dos anos 60, Marisa veio para São Paulo, ondemorou por quase uma década, fez teatro e dividiu um espetáculocom Caetano Veloso e Taiguara. Em 1979 voltou a cantar na boateFossa, no Rio, casa de que havia sido cantora titular por muitosanos.Sem gravadora, em 1982 fez um disco independente,Leopardo, que teve distribuição precária e virou item decolecionador. Marisa relançaria Leopardo, ainda de formaindependente, dez anos depois, acrescentando às faixas originaisuma regravação de Viagem.Mas a voz já não era a mesma. Marisa havia sofrido umderrame, em 1987. Ficou alguns meses internada num hospital emNiterói e a recuperação, lenta, nunca foi total. Ainda assim, em1997, lançou um belíssimo disco em que homenageava outro grandeamigo: o CD Encontro com Antonio Maria. Seu talento musicalperpetua-se com o filho Marcelo Mariano, contrabaixista ecompositor, filho dela e do pianista César Camargo Mariano. Ouça a música Viagem, de Paulo César Pinheiro e João de Aquino, gravada por Marisa Gata Mansa

Agencia Estado,

10 de janeiro de 2003 | 15h52

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.