Marcus Viana assina trilha sonora de "Olga"

Como músico, o mineiro Marcus Viana, de 50 anos, já experimentou de tudo um pouco. Flertou com o rock progressivo na banda Sagrado Coração da Terra, fez jingles para campanhas publicitárias, trilhas para teatro, documentário, curta-metragem, lançou CDs, mas ficou famoso mesmo como autor de trilhas para novelas, como Pantanal e Terra Nostra. Na carreira, diz ele, faltava apenas trabalhar em um longa-metragem. Faltava. Viana acaba de finalizar a trilha de Olga, que também marca a estréia de Jayme Monjardim na direção de um longa, previsto para estrear no dia 20 de agosto. O disco deve ser lançado simultaneamente. Para Olga, o músico dedicou um ano, trabalho que resultou numa bela obra, destrinchada em temas: de Olga (da qual criou variações: romântica, marcha fúnebre, entre outras); de Prestes; de Anita, doce canção de ninar cantada em iídiche; do socialismo. A trilha acompanha o desenrolar da narrativa sobre a trajetória da alemã-judia-comunista Olga Benário, companheira de Luís Carlos Prestes. "Eu não tinha na mão uma trilha de história de amor, mas o drama da mulher que perde o amor, a filha, a cidadania conquistada no Brasil e vai morrer num campo de concentração." Toda a trilha é de autoria de Viana, exceto o foxtrote, de seu pai, que o compositor letrou e usou numa cena de navio. Um parênteses: o pai de Viana, hoje com 88 anos, foi revisor de Villa-Lobos, professor-catedrático de flauta e maestro. Monjardim queria uma trilha sofisticada, mas não tinha dinheiro para contratar uma sinfônica. Assim, Viana teve de se desdobrar e se tornar uma orquestra de um homem só. Gravou, separadamente, 15 violinos, além de violas e celos, juntou tudo e deu origem a uma sinfônica equivalente a cerca de 30 peças de cordas. Sua irmã, Rosane Viana, gravou voz, que, multiplicada, originou um coral. Ele contou ainda com o reforço das solistas Adriana Mezzadri, que já havia trabalhado com ele em O Clone e A Casa das 7 Mulheres, Roberta Lombardi e Maria Helena Nunes. Há ainda um convidado especial, o músico inglês Nick Payton, no sax e nos clarinetes. Enquanto a estréia de Olga não chega, Viana segue no fim do mês para os EUA, onde acompanhará a première de outro filme nacional, Filhas do Vento, de Joel Zito Araújo, para o qual também assinou a trilha e que aqui só estréia em novembro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.