Marcos Valle relê sucessos de convidados em 'Conecta'

Em novo CD e DVD, músico de carreira internacional visita o repertório de Marcelo Camelo, + 2 e Fino Coletivo

Roberta Pennafort, de O Estado de S. Paulo,

05 de junho de 2008 | 16h36

Integrante da segunda geração da bossa nova, Marcos Valle não é saudosista. No Ano da Bossa, o autor (com o irmão, Paulo Sérgio) de Samba de Verão, Preciso Aprender a Ser Só e Os Grilos está lançando Conecta (EMI), CD e DVD em que relê sucessos, visita o repertório de jovens convidados, como Marcelo Camelo (Los Hermanos), + 2 (Kassin, Domenico e Moreno) e Fino Coletivo, e recebe os DJs Plínio Profeta e Nado Leal.   Veja também:  Ouça 'Samba de Verão', de Marcos Valle   "Logicamente eu valorizo o que foi feito, porque deu uma base para a minha música e para a música brasileira", diz Valle, "mas eu sou do presente, gosto de novos parceiros, novos públicos. Eu detesto essa coisa de ‘no meu tempo....’ Se eu ficasse lembrando do passado, estaria de pijama, em casa."   Gravado ao vivo no bar/casa de show Cinemathèque, no Rio, em agosto de 2007, Conecta vem na esteira do sucesso internacional do compositor, que, nos anos 90, viu suas músicas estourarem nas pistas de danças londrinas - fenômeno (também ocorrido, conta Valle, com João Donato e, em menor escala, com Roberto Menescal) do qual ele só ficou sabendo depois de instalado.   O disco tem instrumentais - Jet Samba, Brasil México, Selva de Pedra, Esperando o Messias -, canções dos primeiros LPs, como Samba de Verão, Próton Elétron Nêutron e Batucada Surgiu, e outras das décadas seguintes, Garra, Valeu, Estrelar,Wanda Vidal e O Cafona. Todas ganharam novas sonoridades - Samba de Verão, por exemplo, sua música mais conhecida, é levada até a metade só na guitarra de Camelo.   Às vésperas dos 65 anos - ninguém diz -, Marcos Valle, que vive em meio a viagens à Europa e ao Japão, mantêm as camisas coloridas e os cabelos loiros de surfista (ainda pega onda, acompanhando os filhos adolescentes). Ao teclado e ao violão, está muito à vontade entre os convidados, na faixa dos 30. As participações foram escolhidas entre os declarados fãs de sua música.   Assim ele anuncia Camelo: "É com grande prazer que eu chamo aqui esse talento. A gente era amigo e não sabia!" Abraçando Valle, ele retribui: "Tem uma história que diz que amigo a gente não faz, encontra". A sintonia é total. Eles começam com Cara Valente, de Camelo (gravada por Maria Rita), emendam em Samba de Verão, e depois fazem um medley de Nem Paletó nem Gravata, de Valle, e O Vencedor, de Camelo.   Do grupo Fino Coletivo, entraram Dragão e Boa Hora; em seguida, Valle convida o +2 (eles tocam/cantam juntos Homem ao Mar, Estrelar, Não Tem Nada Não, Sincerely Hot, O Cafona). Os DJs adentram a cena com as releituras de Próton Elétron Nêutron, Batucada Surgiu e Mentira. São músicas que Valle apresenta mais no exterior do que por aqui, onde as mais pedidas não são dançantes - Viola Enluarada, Preciso Aprender a Ser Só. A turnê de Conecta deve começar em outubro.

Tudo o que sabemos sobre:
Marcos Valle

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.