Marcelo D2 leva música brasileira para a Espanha

O cantor de hip-hop Marcelo D2 afirmou que a música brasileira é "a melhor do mundo" e que a mestiçagem do Brasil, com elementos de diferentes culturas européias e africanas, compõem um panorama melódico único."Nós não sabemos quem somos; se somos brancos, negros ou mulatos, e a música brasileira reflete isso muito claramente", declarou à EFE o cantor carioca, que vai se apresentar na Espanha nos próximos dias.Em seu novo disco, Meu samba é assim, Marcelo D2 expressa parte dessa mistura, ao fundir o ritmo brasileiro mais característico, o samba, com o hip-hop.O músico explicou que este é o primeiro álbum dele que traz um samba de partido alto, com músicos como Arlindo Cruz e Zeca Pagodinho, e disse que já tinha trabalhado com sambistas famosos, mas nunca tinha composto uma canção com eles."Sou tímido e reservado, não gosto de ser do clube dos famosos", declarou, antes de afirmar que seu último álbum é o resultado de excursões pelo Brasil nas quais conheceu músicos que convidou para trabalhar com ele. "Encontrei uma pessoa em Curitiba que nunca tinha gravado com ninguém, e acabou fazendo três músicas lindas para o álbum: É Assim que se Faz, É Preciso Lutar e That´s What I Got´, revelou.Orgulhoso de sua origem carioca, sua música reflete suas origens, nascido em São Cristóvão, criado no Andaraí, onde viveu uma vida difícil e trabalhou como porteiro, vendedor ambulante e comerciante de móveis, entre outros."Quero mudar o mundo completamente, quero mudar o samba, o rap, as pessoas que vivem em meu bairro; não é que tudo esteja ruim, mas acho que as mudanças são boas, continuo à procura do ritmo perfeito", ressaltou.Com seu álbum anterior, A Procura da Batida Perfeita (2003), o cantor se consolidou como artista renovador da música brasileira e ganhou muitos prêmios no Brasil, como o de melhor letrista de 2004 pela Academia Brasileira de Letras.Marcelo D2 foi um dos líderes e fundadores da banda Planet Hemp, criada nos anos 90 e que gerou polêmica após uma série de proibições de suas apresentações pela Justiça, que alegou que o grupo fazia apologia ao uso de drogas ilegais em suas canções.Sobre sua viagem que já dura mais de dois meses pela Europa, D2 disse que fica encantado por "ser muito famoso no Brasil e pouco conhecido" por lá, e acrescentou: "Na Europa as pessoas são mais abertas à cultura de outros países".O músico, que faz uma homenagem em seu novo disco ao jogador de futebol Ronaldo "Fenômeno", tem planos de começar a produzir para o cinema, e comentou que já está compondo para a trilha sonora de um filme brasileiro que vai homenagear o jogador.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.