Marcelo Bratke toca com o grupo Caranga

Charanga é um grupo de percussão formado por cerca de 40 alunos do Jardim Miriam que vai tocar hoje e amanhã com o pianista Marcelo Bratke no Itaú Cultural em São Paulo. Alguns destes alunos do professor Maurício Alves aprenderam a tocar nas rodasde pagode de seu bairro. E, agora, têm seu primeiro encontro coma obra de mestres como Villa-Lobos e Ernesto Nazareth. Do popular ao erudito? Não exatamente. A idéia é mostrarque, na música (em especial a brasileira), muitas vezes é tênuea linha que divide os dois gêneros. Nesse sentido, Trilogia doCarnaval insere-se em uma das principais características dotrabalho de Bratke, basta olhar alguns de seus últimos projetosde gravação: canções de Cláudio Santoro com letras de Viníciusde Moraes; uma união do jazz com o erudito, ao lado do pianistaJulian Joseph.Num primeiromomento, o espetáculo consiste de peças de Villa-Lobos e Milhaud como Alma Brasileira e Saudades do Brasil: nelas, o pianodialoga com a percussão, um de cada vez. Até que entram as peçasde Nazareth e, então, piano e percussão unem-se nainterpretação.Marcelo Bratke. Com instrumentistas do Grupo Charanga. Sexta esábado, às 19h30. Grátis (retirar convites com 30 minutos deantecedência). Itaú Cultural. Avenida Paulista, 149, tel.(0xx11) 3268-1700

Agencia Estado,

06 de fevereiro de 2004 | 13h13

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.