Marcelo Bratke faz única apresentação do ano

O pianista Marcelo Bratke faz hoje à noite, no Teatro Cultura Artística, sua única apresentação do ano em São Paulo. O recital, que marca o aniversário de oito anos da Revista Concerto, será composto por peças de Mozart, Chopin, Prokofiev e John Cage - uma viagem por diversos períodos e estilos, pautados pelo olhar do artista sobre o romantismo, período que, ele explica, é o fio condutor do programa. "Meu tema neste recital é o romantismo e suas periferias, são peças que brincam com a percepção do público e com a minha própria durante a apresentação", diz Bratke. Viagens pelos diversos períodos da história da música têm sido um dos principais aspectos da carreira de Bratke, assim como fusão de influências e a escolha de obras que, de algum modo, evidenciem o diálogo entre estilos. Basta olhar o disco do pianista recebido pelos assinantes da Concerto. Discography, como o próprio nome indica, reúne pontos da discografia do artista. Começa com a Partita n.º 1, de Bach, segue com a Sonata para Piano Op.1, de Alban Berg, passa pelas Três Peças para Piano, de Francis Poulenc, e pela A Prole do Bebê n.º 1, de Villa-Lobos; entra, então, em Ernesto Nazareth, com Amendo Resedá, em Aaron Copland, com El Salon México, em Cláudio Santoro, Acalanto da Rosa, e Duke Ellington, com Single Petal of a Rose. E termina com a Mazurca Op. 7 n.º 4, de Chopin. Nele, o namoro entre o compositor erudito e a tradição popular, com Poulenc e Villa-Lobos. "Aí entro no popular mesmo, com Nazareth, Copland, Santoro e Duke Ellington. Chopin marcaria a volta ao erudito, mas com o elemento popular presente por meio da dança tradicional polonesa", explica. No recital de hoje, o princípio seria o mesmo. A escolha das peças cobre mais de um século da história da música, mas é o romantismo o ponto central, por meio da expressão de momentos do indivíduo retratadas nas obras. "Começo com a Fantasia K 397, de Mozart, de um caráter bastante dramático e introspectivo. Vou então para duas peças sedutoras de Cage, In a Landscape e Dream, que levam o ouvinte praticamente do consciente ao inconsciente. Toco a Sonata n.º 3, uma verdadeira explosão, de Prokofiev. E encerro com uma pedra fundamental do romantismo, os 24 Prelúdios Op. 8, de Chopin, que, de certa forma, reúnem todos estes elementos que já serão mostrados ao longo da apresentação." Marcelo Bratke. Hoje, às 21 horas. R$ 30,00 e R$ 10,00 (para assinantes da revista ´Concerto´ e da Sociedade de Cultura Artística). Teatro Cultura Artística. Rua Nestor Pestana, 196, tel. 3258-3616

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.