Estadão
Estadão

Marcelo Álvarez fala da ópera ‘Tosca’, que canta no Teatro Municipal

Tenor critica idealização do passado no gênero; montagem estreia no sábado, 30

João Luiz Sampaio , Especial para O Estado de S. Paulo

27 de novembro de 2014 | 03h00

“Quando nascesti tu...” O tenor argentino Marcelo Álvarez cantarola o trecho da ópera Lo Schiavo no saguão do hotel. “Que compositor incrível foi Carlos Gomes! Eu não entendo por que não cantam mais a sua obra.” Ele, por sinal, acaba de fazê-lo. A ária faz parte de seu novo disco, Twenty Years, com o qual comemora duas décadas de carreira. Mas é outro o motivo que o traz a São Paulo: a partir de sábado, 30, Álvarez é a estrela de uma nova montagem da Tosca, de Puccini, que encerra o ano do Teatro Municipal.

Álvarez é um dos principais tenores da atualidade, presença constante em palcos como o Metropolitan de Nova York, o Scala de Milão ou as óperas de Viena, Paris e Berlim. É também figura controversa. Há alguns anos, disse que estava na hora de Plácido Domingo se aposentar e abrir espaço a uma nova geração. Sobre a decisão do diretor Franco Zeffirelli de demitir uma cantora por considerá-la velha demais para um papel, afirmou que se tratava “do gesto desesperado de um velho artista buscando continuar em evidência”. 

No palco, no entanto, é elogiado pelo lirismo com que interpreta os grandes papéis do repertório de tenor. Sua trajetória no canto, no entanto, começou tarde. Na infância e adolescência, estudou música e cantou em coros em sua Córdoba natal. Aos 30 anos, no entanto, dividia-se entre o marcenaria da família e um curso de contabilidade. Até que sua mulher o convenceu a cantar para um professor que passava pela cidade. Chegou atrasado à audição e, sem nenhuma ária preparada, acabou interpretando uma canção militar argentina. Começou as aulas em seguida e, dois anos depois, mudou-se para a Itália. 

Ele se diverte ao lembrar daquele momento. “Perdi as contas de quantas vezes ouvi as pessoas dizendo que não ia dar certo. Todo mundo falava que eu estava velho demais. Mas, por conta disso, o desejo de conseguir era imenso. E eu não tinha muito a perder, é verdade. O que importava para mim era poder cantar. Por isso, sempre digo a alunos: nunca é tarde.”

Pouco após chegar à Itália, estreou no La Fenice, de Veneza. E não parou mais. Diz que o repertório francês – cantou Manon, Romeu e Julieta – o ajudou a aprender a cantar. E que, aos poucos, foi descobrindo a necessidade de interpretar papéis mais pesados. “Todos dizem que mudar de repertório destrói sua voz, mas, às vezes, é o que você precisa fazer justamente para que ela não seja destruída. E é claro para mim que o importante não é seguir o modelo de outros cantores, ser um novo Franco Corelli, um novo Di Stefano. Tenho sempre de ser eu mesmo, ser Marcelo Álvarez.”

Por conta disso, acha um problema a eterna referência ao passado feito pelo mundo da ópera. “Estamos sempre cantando com os mortos, e isso é insuportável. Sempre tem gente dizendo que o passado era melhor. Não, não era, mas estas são pessoas ultrapassadas que não aceitam que o mundo mudou porque, ao fazer isso, teriam de reconhecer que ficaram parados no tempo. O cantor hoje precisa ser muito mais completo, saber cantar e atuar. Além disso, as orquestras aumentaram muito, os teatros ficaram maiores e você canta muito mais do que antes. Como é que esses grandes cantores do passado se virariam em uma situação como essa? Essa pergunta ninguém faz.”

‘Ópera fala de amor’, diz cantor

Marcelo Álvarez vai contracenar, em Tosca, com a soprano Ainhoa Arteta, no papel-título, e o barítono Roberto Frontali, como Scarpia (o segundo elenco é composto por Ausrine Stundyte, Stuart Neill e Nelson Martinez). A regência é de Oleg Caetani e Marco Gandini, que assina a direção cênica, resolveu ambientar a ópera, que passa originalmente no século 19, nos anos 1970.

Para Álvarez, a música de Puccini é a que mais se aproxima, no mundo da ópera, à música de cinema. “Sofrimentos, crime, dúvida, amor, paixão, está tudo lá. É teatro puro, vertiginoso. E o grande desafio para o intérprete é recriar esse universo de modo fiel. Além, claro, do fato de que todos conhecem a partitura, o que os demais cantores já fizeram com ela, ou seja, a comparação está sempre presente.” 

Para ele, Cavaradossi – o pintor e amante de Tosca, perseguido por seus ideais revolucionários – é um herói essencialmente romântico. “O único momento de grande heroísmo está no segundo ato, quando ele grita ‘Vitória!’. No mais, temos as árias e duetos de amor, que são de extrema beleza. Ele não é um herói em defesa do país, mas, sim, um herói em defesa do amor.”

Depois de atuar em papéis italianos e franceses, Álvarez começa a ensaiar sua estreia no repertório alemão. Diz que tem recebido convites dos mais diversos, mas que é preciso cautela. Não dá passos como esse sem consultar uma médica que mantém suas cordas vocais sob constante avaliação. “Mas há um papel que me interessa e o que preciso é apenas de alguns meses parado, para poder prepará-lo. É o Lohengrin, de Richard Wagner. É a ópera mais italiana dele, digamos. E é preciso um tenor italiano para cantá-la direito.” / J.L.S.

TOSCA

Teatro Municipal. Praça Ramos de Azevedo, s/nº, 3397-0327. Dias 29/11 e 2, 4, 6, 9, 11 e 13/2, 20 h; dias 30/11 e 7/12, 18 h. R$ 40/ R$ 100. Até 13/12.

Veja trechos da ópera:

Tudo o que sabemos sobre:
Ópera

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.