Rosana Naggar
Rosana Naggar

Manu Lafer grava com lenda do jazz e faz show

O compositor, cantor e violonista lança o CD ‘Something Old and New’ com arranjos do clarinetista Ken Peplowski e toca hoje, 2, no Auditório Ibirapuera

Antonio Gonçalves Filho, O Estado de S. Paulo

02 de junho de 2019 | 03h00

O título do novo CD do cantor, compositor e violonista Manu Lafer, Something Old and New, é retirado de uma música de Paul McCartney (Junk) que integra o primeiro disco solo do beatle, o homônimo Junk (1970). Como diz a letra, é a conjugação do novo e do velho a verdadeira fonte da felicidade, seja ela uma bicicleta ou um ‘sleeping bag’ feito para dois. A letra se aplica igualmente ao feliz encontro do médico e músico Manu com um veterano do jazz, o clarinetista e saxofonista norte-americano Ken Peplowski, 60, produtor, arranjador e um dos músicos do disco, que será lançado hoje no Auditório Ibirapuera, às 19h.

Ao lado de Manu Lafer estarão no palco, com direção musical de Fábio Tagliaferri (viola de arco), os músicos Swami Jr. (baixo), Daniel Oliva (guitarra) e Sérgio Reze (bateria e gongos). O show conta ainda com a participação especial de Verônica Ferriani (voz), Justin Poindexter (guitarra e violão) e Toninho Horta (violão e voz), parceiro de Manu na composição Indo para Minas, que será apresentada pela primeira vez.

No repertório, além de clássicos como Remember (Irving Berlin), Manu revisita canções pop como Without Her, composição de Harry Nilsson (1941-1994) de 1967. “Após o assassinato de seu amigo John Lennon, Nilsson praticamente interrompeu a carreira e virou um ativista contra o porte de armas”, lembra Manu, observando que homens como o intérprete de Everybody’s Talking (tema do filme Midnight Cowboy, 1969) fazem falta contra o atual lobby armamentista.

Felizmente ainda vivem músicos como Ken Peplowski, que Manu conhece há anos e já participou de outros três projetos do músico. Clarinetista que já tocou com Mel Tormé, Bobby Short, Charlie Byrd, Rosemary Clooney e Marianne Faithfull, ele pode ser ouvido nas trilhas dos filmes de Woody Allen.

“Allen, que também toda clarinete, disse que Ken não se preocupasse com a concorrência”, conta, rindo, Manu, lembrando que Peplowski esteve num show do Carnegie Hall em homenagem a Benny Goodman em que figuravam os sete melhores clarinetistas dos EUA. Em seu novo CD, Manu recebe outros convidados ilustres como o cantor e guitarrista John Pizzarelli, seu parceiro musical em discos anteriores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.