Mangueira quer abrir casa de shows no Rio

A escola de samba Estação Primeira de Mangueira, tradicional reduto do samba carioca, vai entrar para o ramo das casas de espetáculo. Enquanto dá os últimos retoques em seu desfile para este ano, a escola de Cartola e Carlos Cachaça apresentou o projeto da casa Estação Primeira do Samba, que deverá abrir em 2005 e vai se localizar em um terreno já utilizado pela escola na Praça 11, local onde o samba nasceu na famosa casa da baiana Tia Ciata. O projeto é fruto de uma parceria entre a Mangueira e empresários do Rio e de São Paulo. Os paulistanos já têm experiência no assunto: são os donos da casa Tom Brasil. "Nosso sonho era de um dia ter uma casa como essa na Praça 11, onde o samba nasceu", diz o presidente da escola, Álvaro Luiz Caetano. Os sócios da Tom Brasil decidiram entrar no projeto como parceiros, junto com a carioca JMM, investindo R$ 15 milhões. A casa deverá ser aberta a todas as vertentes do ritmo, assim como a todas as escolas de samba. A Estação Primeira do Samba terá foco nos turistas, brasileiros e de fora. Vai ocupar 3 mil metros quadrados de um local onde a Mangueira já fez algumas de suas escolhas de samba-enredo. A casa poderá receber mais de 1 mil pessoas por noite e, além de shows de samba, oferecerá serviços como bar, loja de conveniência, um memorial do samba e a típica culinária carioca. As comunidades locais terão dias especiais, segundo os empresários, em que a entrada terá preço popular. Os sócios da nova casa de espetáculos estão em busca de novos patrocinadores e adiantam que representantes dos segmentos de cerveja, cartões de crédito e telefonia móvel e fixa já manifestaram interesse pelo projeto. Em São Paulo, a criação de uma Estação nesses moldes ainda é um sonho não tão perto de se realizar.

Agencia Estado,

12 de fevereiro de 2004 | 12h46

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.