Malone, parceiro de Ray Brown, toca em SP e RJ

Reputado acompanhante dos cantoresDiana Krall e Harry Connick, o guitarrista Russell Malone tocaamanhã em São Paulo com seu próprio quarteto, no Bourbon Street,em Moema. No sábado, apresenta-se no Mistura Fina, no Rio deJaneiro.Malone traz na bagagem, além da curiosidade geral emtorno de sua atuação como líder, um mimo extra: ele tocou naderradeira gravação do baixista Ray Brown, morto em julho do anopassado - Brown foi o motor dos grooves que impulsionaram amúsica de Ella Fitzgerald, Oscar Peterson, Milt Jackson, entreoutros astros do jazz.O disco em questão foi lançado pela Telarc em outubro.Nele, sob o piano delicado de Monty Alexander, Russell Malone eRay Brown desfolham um repertório romântico, que vai deDjango (de John Lewis) a Fly Me to the Moon (BartHoward). Há quem aponte o estilo elegante e comedido de Malonecomo uma alquimia entre suas origens (ele é da Georgia) e suapredileção por baladas. "Gosto de tocar boa música e o públicoresponde bem se reconhece o seu envolvimento com a música",disse Malone, em entrevista ao Estado, por telefone, nasemana passada. "Quando você toca do fundo do coração, não hágênero, apenas música."Malone contou que só esteve uma vez no Brasil,acompanhando Diana Krall. Isso foi em 1997, durante o Free JazzFestival. O palco foi o mesmo Bourbon Street onde toca amanhã.Na ocasião, a cantora e pianista canadense estava acompanhada,além de Malone, do baixista Benjamin Jonah Wolfe.Apesar da temporada curta no Brasil, Malone tem umenvolvimento mais profundo com a música nacional. No seu discomais recente, Heartstrings (Verve, 2001), ele conta com oarranjador Dori Caymmi em quatro faixas. "Ele é um mestre",diz o comedido guitarrista, numa rara concessão superlativa.Outro grande elogio foi à composição Durango Kid, deToninho Horta, outro brasileiro que é unanimidade entre osjazzistas americanos. Malone disse que também se encontrou comGilberto Gil há uns dez anos e é outro que merece sua deferência, além do pai de Dori, Dorival Caymmi, e uma grande cantorabrasileira, Elis Regina.O guitarrista afirmou que pretende fazer um set quemisture coisas de todos seus trabalhos, de Sweet GeorgiaPeach (Impulse, 1998, no qual tocava com Ron Carter, LewisNash, Steve Kroon e Kenny Barron) a esse Heartstrings (daVerve, com a qual não tem mais contrato e que tinha a presençade Barron de novo, além de Christian McBride e Jeff Watts)."Wes (Montgomery) foi definitivamente uma influência,mas não foi a única", afirmou o guitarrista, comentando sobresuas raízes. "Gosto também de Bucky Pizzarelli, que é um grandeamigo meu, mas eu gosto de pensar que toco ao estilo RussellMalone, com uma marca minha e original", afirmou.Em suas apresentações no País, Malone estará acompanhadode Martin Bejerano no piano, Enoch Strickland na bateria eTassili Bond no baixo.Russell Malone. Amanhã e depois, às 21h30. R$85,00 (couv. art.). Bourbon Street Music Club. Rua dos Chanés,127, em são Paulo, tel. (11) 5561-1643.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.