Malkmus, fino rock de garagem

Ex-líder de uma das mais cultuadasbandas do circuito alternativo americano, o Pavement, StephenMalkmus - o último bardo romântico do rock - apresenta-se nesta quarta e na quinta-feira na choperia do Sesc Pompéia com sua novabanda, The Jicks. Jick, segundo explica Malkmus, é um dos nomes adotadospara o Valete de Copas no jogo de cartas siciliano. Trata-se deum power trio que faz o mais fino garage rock e tem Malkmus (voze guitarra), John Moe (bateria) e JoAnna Bolme (baixo). Na sexta-feira, ao desembarcar em São Paulo, Malkmushospedou-se no Transamérica Flat. Teve a mala extraviada e, apóscomprar umas roupinhas novas, falou à reportagem por telefone. Agência Estado - Você considera que está mais felizagora, com The Jicks, do que no tempo em que tocava com oPavement? Stephen Malkmus - Agora, você me perguntando assim... Eudiria que sim. Nós - eu e The Jicks - vivemos na mesma cidade,fazemos progressos musicais com mais facilidade. Todo orelacionamento é mais fácil. Mas acho difícil comparar ascoisas. Eu me senti bastante satisfeito com aquilo que conseguino Pavement, mas o veio esgotou-se. Essa cidade comum é Portland?Sim, Portland, no Oregon. É onde eu vivo. Ficaa duas horas de Seattle e tem um time maravilhoso de basquete,muito famoso. Também gosto de futebol e espero que o Brasilvolte com a Copa desta vez.Qual é a idéia para o show no Brasil?Vamos tocar algumas canções do meu disco solo,que já tem quase dois anos. Também quero tocar algumas cançõesnovas do próximo disco e uma canção do Pavement para os fãsbrasileiros. Estivemos ensaiando para isso. Em maio, entramos emestúdio para gravar o disco novo, que deve sair lá por outubro.Você consegue rimar ´relationship´ (relacionamento)com ´nasal drip´ (nariz escorrendo). Você acha que pode haveralgum timing de poesia beatnik em suas letras?Às vezes acho que sim, mas não sou tão ligadoem poesia. Prefiro a poesia real, do cotidiano, nada muito sériodo ponto de vista literário. Tenho um estilo diferente deescrever. Acho que o Sonic Youth tem pretensões maiores nessaligação. Eu me amarro mais em letristas como Wallace Stevens doque em Jack Kerouac, para falar a verdade. Gosto das letras debandas como The Fall, músicos como Lou Reed, como Television.Por sinal, outro dia tocamos no mesmo festival que o Television,a banda reformada. Foi bem legal, nós gostamos muito deles,embora eu prefira o Television antigo.Rola aqui um grande festival de música eletrônica,o Skol Beats. Não pensa em ir dar uma dançadinha lá?Foi uma longa viagem de Portland até aqui, eparece que é outra viagem dura até Recife (Malkmus tocou noAbril Pro Rock, em Pernambuco). Não gosto muito de dançar. Masum festival de música eletrônica não é exatamente minha idéia doque seja ouvir música. Gosto de colocar velhos discos de rocknuma jukebox e ficar conversando com os amigos, jogando conversafora e bebendo alguma coisa. Gosto de lugares onde a gente possafalar e onde hajam relações físicas.Serviço - Abril Pro Rock. (Stephen Malkmus apresenta-se quarta equinta). De quarta a sábado, às 21 horas. De R$ 15,00 a R$ 30,00(quarta e quinta); R$ 10,00 a R$ 20,00 (sexta) e R$ 7,50 a R$ 1500 (sábado). Chopeira do Sesc Pompéia. Rua Clélia, 93, São Paulo tel. 3871-7700

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.