Maíra Freitas e Mestrinho homenageiam Gilberto Gil no show ‘N’ Gan Daya’

Maíra Freitas e Mestrinho homenageiam Gilberto Gil no show ‘N’ Gan Daya’

Os dois fazem releituras de músicas do disco ‘Kaya N' Gan Daya’ e de outros reggaes do compositor baiano em apresentação nesta sexta, 24, em São Paulo

Adriana Del Ré, O Estado de S.Paulo

24 de maio de 2019 | 16h10

A cantora e pianista Maíra Freitas e o cantor e acordeonista Mestrinho se conheceram quando fizeram parte do projeto Refavela 40, show que festejava os 40 anos de lançamento do icônico disco de Gilberto Gil. A turnê chegou ao fim em duas apresentações catárticas no Circo Voador, em janeiro deste ano. E para Maíra e Mestrinho ficou a vontade de continuar reverenciando a obra de Gil de alguma maneira. Nascia assim o show N’ Gan Daya – Maíra Freitas e Mestrinho Tocam Gil e Outros Reggaes, que eles apresentam nesta sexta, 24, às 22h, na Casa Natura Musical, em São Paulo.

“A gente já cantava junto no show do Refavela 40. Eu e a Maíra abríamos o show com a música Ilê Aiyê e temos uma afinidade maravilhosa cantando juntos, e acho que isso foi percebido pela Andrea Franco (da Xirê Eventos e idealizadora do projeto), que decidiu juntar a gente para fazer esse show”, conta Mestrinho.

A base do show, como o próprio nome adianta, é outro disco clássico de Gil, Kaya N' Gan Daya, de 2002, um tributo do músico baiano a Bob Marley. O repertório reúne mais de 20 músicas, muitas delas saídas desse álbum, como Buffalo SoldierPositive Vibration Could You Be Loved, que se unem a outros reggaes da obra de Gil. E, assim como emRefavela 40, a ideia é manter os arranjos originais nas releituras.

“Primeiramente, o show é uma homenagem ao Kaya N' Gan Daya, disco do Gil, e ao mesmo tempo homenageando o Bob Marley, que o Gil interpretou. O show todo é uma homenagem a Gil e Bob Marley. Tem os reggaes do Gil comoExtra, Vamos Fugir e A Novidade”, explica Mestrinho. “Todos eles se encaixam perfeitamente com o repertório do Bob Marley, até porque o Bob foi uma referência ao Gil. Também tem os xotes e as homenagens ao Bob como Master Blaster, que é uma homenagem do Stevie Wonder para o Bob. Tem ainda o Eu Só Quero Um Xodó, feita pelo Dominguinhos, mas gravada pelo Gilberto Gil também.”

E como reggae e xote se relacionam? “São elementos parecidos ritmicamente. Tem algumas coisas diferentes, o reggae é mais espaçado e o xote, mais preenchido, mas são gêneros parecidíssimos”, compara o músico. “Tem esse parentesco da Jamaica com o Nordeste.”

Quando Maíra e Mestrinho se apresentaram juntos em Refavela 40, surgiu uma admiração mútua. “A gente não se conhecia. Nos conhecemos no projeto, achei ele interessante, que toca pra caramba e canta pra caramba”, elogia Maíra. Mestrinho retribui: “Foi um encantamento maravilhoso, porque tem um número no Refavela que ela toca o piano e ela toca muito.”

No novo show, os dois estão o tempo inteiro no palco, revezando-se em diferentes frentes. Com direito até à presença do piano de Maíra. “É um amparando o outro, cantando junto. São muitas músicas. Quando um está cantando separado, o outro está ali no backing vocal, fazendo a cama com o instrumento também. O tempo inteiro no palco”, diz Mestrinho. “É um show juntos, nos complementando e curtindo reggae music”, complementa Maíra.

Casa Natura Musical. Rua Artur de Azevedo, 2.134, Pinheiros. R$ 50 / R$ 120. 

 

 

 

Tudo o que sabemos sobre:
Gilberto Gil

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.