Maioria dos fãs 'compra' álbum do Radiohead por R$ 0

Banda não estipula preço para download de músicas e 62% dos fãs baixam de graça

Alex Veiga, da AP,

07 de novembro de 2007 | 11h35

A banda de rock Radiohead permitiu aos fãs que pagassem quanto quisessem pelas cópias digitais do último CD do grupo, In Rainbows, e mais da metade deles não pagaram nada pelo download. O estudo foi feito por uma empresas de pesquisas e divulgado nesta quarta-feira, 7.   Veja também:  Crítica: Novo álbum do Radiohead inova na estratégia, mas não na música   Cerca de 62% das pessoas que baixaram o álbum nas últimas quatro semanas de outubro optaram por não dar um centavo aos roqueiros britânicos. Mas os 38% remanescentes voluntariamente pagaram em média US$ 6, de acordo com o levantamento da comScore.   O Radiohead rompeu com o formato tradicional da indústria fonográfica de vender álbuns apenas em CDs para lançar seu sétimo álbum na internet de forma independente. A polêmica ficou por conta da decisão de permitir que fãs baixassem músicas pelo valor que eles próprios estipulassem a partir do site www.inrainbows.com.   As estatísticas foram colhidas a partir de centenas de pessoas da base de dados da comScore, cujo total é de 2 milhões de internautas no mundo todo. A empresa tem permissão para monitorar o comportamento de usuários da web e não divulgou a margem de erro da pesquisa.   Entre os dias 1º e 29 de outubro, cerca de 1,2 milhão de pessoas visitaram o site do Radiohead, afirmou nesta semana a firma de pesquisas. A empresa não informou quantas pessoas compraram o álbum.   Entre os residentes dos EUA, cerca de 40% dos que fizeram download pagaram pelas músicas o equivalente a US$ 8,05. Fora dos EUA, a média cai para 36% dos compradores e média de US$ 4,64 pelo álbum.   Um porta-voz disse nesta terça-feira, 6, que a banda não comentaria o estudo. O Radiohead pretende lançar o próximo álbum, no ano que vem, dessa vez em formato tradicional de CD.

Tudo o que sabemos sobre:
RadioheadMúsica digitalInternet

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.