Maestro que vendia violinos falsos se suicida em Roma

Russo Serguei Diatchenko foi preso na semana anterior por vender violinos falsos a altos preços

EFE

01 de novembro de 2008 | 12h13

O maestro russo Serguei Diatchenko, de 64 anos e aluno do genial regente austríaco Herbert von Karajan, se suicidou em sua casa em Roma, onde permanecia detido pela suposta venda a seus alunos de violinos falsos a por preços elevados.   Ontem, a mulher e o advogado do músico, que preparavam sua defesa, encontraram Diatchenko pendurado em uma viga de um dos quartos da casa, informou hoje o jornal italiano "Corriere della Sera".   Diatchenko, pai da violinista Masha Diatchenko e fundador da associação Art Music de Roma, foi preso domingo passado, na porta de casa, no centro da capital italiana, com 20 mil euros escondidos em uma mala.   Após a detenção, a Polícia encontrou em sua casa 197 violinos que o maestro tinha comprado em vários lugares, inclusive em uma feira popular de Roma, e que, segundo os investigadores, planejava vender como peças exclusivas.   Na casa, também foram achados o Stradivarius com o qual Diatchenko tocava e um violino Amati, que, segundo a Polícia, pode ser o que foi roubado dos herdeiros do maestro italiano Niccolò Paganini (1782-1840) na década de 70.   A investigação começou depois que um dos alunos do músico fez um alerta às autoridades. O estudante suspeitou de algo quando foi com um amigo a um avaliador e este disse que seu violino, comprado de Diatchenko, valia apenas mil euros, e não os 120 mil euros pagos pelo instrumento.

Tudo o que sabemos sobre:
matesrosergueiviolino

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.