Maestro Maazel apresenta sua versão de "1984"

Lorin Maazel, maestro da Orquestra Filarmônica de Nova York, estreou ontem em Londres a sua primeira ópera, uma adaptação do livro 1984, de George Orwell. Maazel, de 75 anos, disse à BBC que ele acredita que o livro tem conteúdo ideal para uma ópera. "Quando passei a me dedicar ao assunto e conhecer bem a história contada por Orwell, fiquei bastante inspirado e muito motivado pelo desafio de adaptar essa história extraordinária", disse ele, que atua como maestro há mais de 50 anos e já conduziu mais de 5 mil performances.Segundo o maestro, a idéia de escrever uma ópera surgiu há oito anos, quando recebeu um convite do gerente-geral de um teatro de Munique. "Fiquei em dúvida se conseguiria alcançar esse desafio - mas aqui estou, oito anos depois".Segundo Maazel, muitos compositores já adaptaram grandes obras literárias em óperas, incluindo Verdi (com Otelo, de Shakespeare), Puccini (com Tosca, de Victorien Sardou) e George Gershwin (com Porgy, de DuBose Heyward).O maestro disse que pesquisou vários títulos, mas que os direitos de muitos deles já estavam comprados."Foi quando me perguntei que romance do século 20 seria mais desafiador e adequado para transformar em uma ópera. Eu queria algo contemporâneo", disse ele. "1984 veio como uma idéia - então eu reli a história e percebi que ela continha os elementos de ópera - uma história de amor condenada ao fracasso e uma intriga política - assim como Don Carlos (de Verdi), Fidelio (de Beethoven) ou Tosca (de Puccini)."O livro 1984 conta a história de Winston e Julia, que vivem em um Estado bastante repressor, se encontram e se tornam amantes. Winston, vivido na ópera de Maazel por Simon Keenlyside, é um burocrata de destaque em uma organização do Estado que controla as pessoas, enquanto Julia, interpretada por Nancy Gustafson, é uma cheerleader bem mais nova que ele."A invasão de privacidade é um tema bastante atual", diz Maazel. "Os governos sabem onde você está, eles ouvem as conversas em telefones celulares, eles observam seus e-mails."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.