Madonna vai defender adoção no programa de Oprah Winfley

Madonna será entrevistada por Oprah Winfley para falar sobre os planos de adotar um menino de 1 ano e 1 mês de Maláui, país africano. Segundo a Rede BBC, o programa com a cantora irá ao ar na TV norte-americana nesta quarta-feira, dias após o pai da criança, Yohane Banda, afirmar que nunca teve a intenção de "dar" seu filho para a diva pop adotar, mas apenas deixar que ela promovesse o desenvolvimento da criança em seu lugar.Madonna e seu marido, o cineasta Guy Ritchie, ficaram oito dias em Maláui e conseguiram a guarda temporária do menino David. Banda assinou os papéis permitindo que o filho fosse adotado e o juiz Andrew Nyirenda concedeu às celebridades a permissão para levar David para Londres. A criança chegou no dia 17 à mansão da "nova família" na capital britânica.Em uma entrevista à TV Reuters em sua casa na vila de Lipunga, Banda disse que Madonna perguntou se poderia educar seu filho, e não se a criança poderia tornar-se sua. "Eles nos contaram que Madonna queria adotar meu filho (...) Não concordamos com isso", disse Banda. "Seria melhor para ele que continuasse no orfanato, pois não vejo razão para meu filho ser dado para sempre quando posso alimentá-lo", completou.O testemunho de Banda ocorre uma semana depois de ele protestar contra grupos de direitos humanos que foram às cortes tentar impedir Madonna de adotar seu filho David. "Onde estavam essas pessoas quando David estava lutando para viver no orfanato? Essas pessoas que se auto-intitulam a favor dos direitos humanos devem deixar meu bebê em paz", disse. "Na posição de pai, eu digo que está tudo bem. Para nossa vila está tudo bem, então porque eles ficam criando problemas? Por favor, faça eles pararem".Papéis que não podia entenderBanda contou que assinou papéis que não podia entender, mas que oficiais do governo garantiram que o acordo era igual ao do orfanato, com o objetivo de alimentar e educar o garoto, mas não o de tirá-lo para sempre de seu pai."Não sei ler nem escrever, então acreditei no que os oficiais disseram." Segundo entendeu o pai, Madonna cuidaria do garoto como o orfanato cuidaria, garantindo sua educação e alimentação, mas sem tirá-lo de sua guarda. Questionado se possuía alguma cópia do acordo assinado, Banda disse: "Estou aguardando minhas cópias." Ele afirmou que os papéis continuam nas mãos dos oficiais do governo que mediaram o acordo. O pai disse também que esperará pelos documentos para, em seguida, decidir qual atitude tomar. Banda informou que levou seu filho ao orfanato para que recebesse tratamento médico e alimentação após sua esposa morrer de malária - dias após dar à luz. "Enviamos essa criança ao orfanato porque por um mês não poderia cuidar dele; não temos centro médico próximo (do lar) e o orfanato era o lugar ideal para ele."O pai reclamou, ainda, que as pessoas não lhe deram chance para explicar melhor sua posição porque a mídia está interessada apenas em saber sobre David e Madonna. "O que concordamos com Madonna era que ela cuidasse de meu filho até que terminasse a escola, se tornasse independente e, então, voltaria para nós", disse Banda.Grupos de direitos humanosMadonna, de 48 anos, irritou os grupos de direitos humanos com seus planos de adotar o menino David Banda, que deixou seu país natal na terça-feira da semana passada, com destino à casa da estrela em Londres, após ela ter obtido a guarda temporária das autoridades de Maláui.O Comitê Consultivo de Direitos Humanos, uma coligação de 67 organizações, fez um pedido formal ao governo malauiano, na mesma terça-feira em que David deixou seu país, criticando os critérios estabelecidos para a adoção de crianças por estrangeiros. O comitê "lembra" que, pela lei, pessoas que não residem no país devem ficar com a guarda da criança por um ano e meio ou dois, antes de conseguir uma custódia preliminar - que Madonna já obteve.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.