Madonna lança "single" amanhã

Madonna quer acabar com a estagnação da música pop mundial. A pop star, que lança amanhã o primeiro single de seu novo disco, acha que a situação da produção atual é "assustadora". Music, o álbum que chega ao mercado internacional em setembro, deve ser a confirmação do talento da cantora como catalizadora dos elementos da música eletrônica underground no circuito comercial. O trabalho vai ter de convencer o público de que ela conseguiu ir além de Ray of Light sem repetir a fórmula.A estratégia de renovação incluiu não trabalhar apenas com William Orbit, responsável pelo disco anterior e por bem-sucedidas produções como Beautiful Stranger, da trilha sonora de Austin Powers: O Agente Bond Cama. Conectada genuinamente ao mundo da eletrônica (quase como Björk), Madonna pesquisou o gênero a fundo. O resultado é um disco que usa o trabalho de grupos como Mono, Olive, Daft Punk e Air como ponto de partida, mas que consegue ir muito além. Mais uma vez a vontade de se superar e de provar que pode continuar no topo fez com que Madonna acertasse o tom. "Se este disco acontecer, significa que as pessoas estão preparadas para algo diferente", disse a cantora à "Billboard". A pop star sabe que, depois de anos de "educação", seus fãs e mais milhares de pessoas ligadas de alguma maneira à crescente cena club querem mais. Ela também sabe que o público interessado em beats e ruídos eletrônicos nos Estados Unidos e na Europa é hoje muito mais interessante do que a massa que sustenta os programas de rádio e a MTV. E, mais do que tudo, ela percebe que, em uma época em que o pop chegou em um escalão tão baixo, vai se dar bem quem nivelar seu público por cima.Com o cuidado de não cair na caricatura que a cultura rave começa a adotar em sua chegada ao mainstream, a artista reuniu influências de uma série de gêneros (dos anos 70 aos 90) e passou a usá-las de maneiras diferentes. Colaborando com o francês Mirwais, o indiano Talvin Singh e o inglês Mike "Spike" Tent, além de Orbit, ela lida com elementos do pop francês, da house music, da disco, do hip hop, do electro e por aí vai.Madonna distorce sua voz como nunca em Music, que, graças à Internet, já virou hino de pista em vários lugares de mundo. Ela usa ruídos desconcertantes em I Deserve It, mistura teclados futuristas com violões cheios de efeitos em Gone e aborda a mistura do trance com beats disco em Impressive Instant.A impressão que Music deixa é que Madonna chega, brilhantemente, a uma fase onipresente da modernidade club. As dez faixas do novo disco têm personalidade própria e ainda devem se desdobrar por meses a fio em remixes de alguns dos mais significativos nomes do gênero atual - explorando ainda outros gêneros e influências. Se, por um lado, corre-se o risco de que o álbum pode colaborar para a saturação do gênero, os quase 20 anos de estrada de Madonna mostram que ela vai saber tomar outro desvio quando isso acontecer. Até lá, é claro, a pop star ainda vai reinar por muito tempo nas pistas de todo o mundo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.