Madonna estréia turnê e deixa Israel de fora

Madonna está de volta. A pop star estreou ontem Re-Invention exercitando sua conhecida vocação para a polêmica. No palco, ela simula sexo com uma de suas dançarinas. Na tela, aparecem imagens de um menino palestino de mãos dadas a um israelense. No primeiro show de sua turnê mundial, a pop star de 45 anos provou que continua com excelente domínio de cena. Mostrou fôlego, boa forma e, entre coreografias extravagantes e imagens polêmicas, chegou a surpreender a crítica cantando com vigor e apuro técnico.Até 5 de setembro, quando se apresenta em Paris, Madonna tem pela frente 50 shows. Para muitos, trata-se de seu último giro de grandes proporções. Além de Estados Unidos e França, a cantora se apresentará no Canadá e no Reino Unido. Os bastidores da turnê estão sendo filmados e renderão um documentário, a exemplo de Na Cama com Madonna, um retrato da turnê Blond Ambition Tour, de 1990.E Israel está de fora de Re-Invention. Ontem, o Access Hollywood levou ao ar entrevista com a cantora, adepta da Cabala, em que confirma ter cancelado três datas no país por causa da violência. A pop star disse que seu empresário recuou após o ataque ao líder do Hamas. Forças israelenses mataram em março o fundador do grupo militante, Sheik Ahmed Yassin, e em abril o líder Abdul-Aziz Rantisi. Madonna aproveitou para negar que o cancelamento se deva a uma suposta ameaça à sua família, como noticiado por tablóides britânicos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.