Divulgação
Divulgação

Madonna completa 54 anos em meio a confusões artísticas e políticas

Madonna Louise Veronica Ciccone, ou simplesmente Madonna, completa 54 anos nesta quinta-feira (16). Nascida em Bay City, localizada no estado americano de Michigan, a rainha do pop comemora o aniversário em meio a uma conturbada fase profissional.

O Estado de S.Paulo,

16 de agosto de 2012 | 08h43

Passeando pelo mundo com a turnê MDNA, de seu mais recente álbum, Madonna tem colecionado desafetos com seus shows, sendo criticada por políticos, fãs e artistas de peso.

Em junho, ela provocou a revolta de Marine Le Pen, líder de um partido de extrema direita na França, ao exibir sua imagem durante um show em Israel. Na foto, a representante política aparecia com o desenho da suástica em sua testa.

Pela "brincadeira", Madonna foi processada pelo partido conservador Frente Nacional (FN) por comportamento infame contra Marine. "As velhas cantoras precisam que se fale delas, e assim se entende que cheguem a tais extremos", disse a líder política na época.

Ao se apresentar em Paris, um coro de vaias e xingamentos se estabeleceu na plateia após o show, que durou somente 45 minutos. Os fãs gritaram e a chamaram de "vagabunda" por ter feito uma performance muito curta diante dos preços dos ingressos (variou entre R$ 200 e R$ 700).

Neste mês, durante um show em Moscou, na Rússia, Madonna protestou contra o presidente Vladimir Putin por manter presas três integrantes do grupo Pussy Riot. "Isso é se intrometer nos assuntos internos de nosso Estado, criar pressão sobre os tribunais. Ela também se manifesta a favor da homossexualidade, o que é tido como propaganda e, por isso, infringe a lei em muitas regiões do país", disse um porta-voz de uma da organizações radicais ortodoxas à agência Interfax.

Ainda na Rússia, mas desta vez em São Petersburgo, ela distribuiu pulseiras rosas para que o público manifestasse o apoio às minorias sexuais. Por este ato, ela provocou a fúria de Vitali Milonov, deputado da Assembleia Legislativa da cidade, por violar uma lei local que proíbe a propaganda da homossexualidade e da pedofilia. "Queremos lutar pelo direito de sermos livres. Viajei muito pelo mundo e vejo que as pessoas são cada vez mais intolerantes, mas podemos mudar isto. Temos força para isso", disse Madonna em seu show.

Além dos problemas políticos, inimizades reforçadas no meio artístico. Após provocar Lady Gaga, cantando um trecho de Born This Way após Express Yourself, emendando com o hit She's Not Me, Elton John saiu em defesa da comadre. "Ela é uma stripper de quinta categoria cuja carreira acabou. A turnê dela está sendo um desastre. Se tivesse um pouco de bom senso, teria feito um disco como Ray of Light e deixado de lado essa coisa dançante. Assim, seria uma grande cantora pop e lançaria discos pop, que ela faz brilhantemente, muito bons", disse o cantor sobre Madonna.

Madonna desembarca no Brasil em dezembro para quatro shows de sua nova turnê: Rio de Janeiro (dia 2), São Paulo (dias 4 e 5) e Porto Alegre (dia 9). Seus fãs pouco se abalam com o volume de polêmicas e deixam somente um sentimento tomar conta de si: a ansiedade em ver a artista em palco brasileiro após quatro anos de sua última performance no País.

Tudo o que sabemos sobre:
Madonnamúsica poppop

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.