Madonna chega ao topo da parada americana

Apesar de críticas negativas e de umacerta idéia na mídia de que "Madonna já era", a pop starconseguiu estrear no topo da parada de álbuns da Billboardcom American Life. Quando os números oficiais foremdivulgados amanhã, ela vai ter vendido em uma semana entre 250mil e 300 mil unidades do disco. Ontem, ela foi confirmada também no topo da parada britânica. Várias semanas de uma campanhade marketing cheia de quase-polêmicas e muitas aparições namídia mostraram que Madonna mantém firme seu lugar de destaqueno pop.Os números de American Life não são tão ruins em uma épocade vacas magras para a indústria fonográfica. Mas estão bem abaixo do lançamento de Music, que há três anos quase bateu na marca de 500 mil cópias. Madonna chegou até mesmo a usar o download ilegal de faixas do novo disco como uma maneira de promover o trabalho. Quem tentoubaixar as canções de sites de troca de arquivos ouviu umabronca da cantora, que perguntava "que diabos" (emlinguagem um pouco mais pesada) a pessoa estava fazendo.A estratégia rendeu, obviamente, muitas reportagens e maispromoção para o disco. No fim de semana anterior ao lançamento,hackers entraram em seu site oficial, colocaram links paraarquivos das faixas e disseram que aquilo era "o que diabos"eles estavam fazendo. O trote foi assinado por Morgan Webb,produtora e apresentadora do programa de TV na internetTechTV, que jura não ter nada a ver com a história. Hárumores de que esta teria sido mais uma técnica de publicadadeda gravadora Warner Bros. Não se sabe mais o que é polêmica e oque é marketing na carreira da cantora.Esta semana começou a surgir outra conseqüência dos arquivosfalsos com a voz de Madonna. É difícil de acreditar que não sejaoutro plano da cantora, que já teve até remixes lançados de umrecado que deixou na secretária eletrônica do DJ Junior Vasquez.O xingamento aos piratas ("What the f... do you think you´redoing?") rendeu uma série de remixes e colagensmusicais, que já apareceram em vários sites. A página DMusic, por exemplo, está promovendo um concurso de remixes baseados nafrase. O prêmio é uma camiseta e adesivos com os seguintesdizeres: "Boicote a RIAA" (a Recording Industry Association ofAmerica, grupo de grandes gravadoras que tem lutado na Justiçacontra a pirataria online).Em retrospectiva, o "escândalo" do vídeo original deAmerican Life não foi tão escandaloso assim. O clipepacifista de Jonas Akerlund não chegou ao ir ao ar, porqueMadonna não queria irritar o público americano em meio à guerrano Iraque. Ganhou pontos com os que apoiam "as tropas" e comos pacifistas e rebeldes em geral, pela ousadia. Por sinal,ninguém viu até hoje a suposta cena em que ela joga umagranada no presidente George W. Bush. A cantora garanteque o clipe tem "várias versões" e algumas são muitopolêmicas.Entre mortos e feridos, a carreira de Madonna parece estarsalva. Em meio a tanta "controvérsia", a qualidade ruim damaioria das faixas de American Life (como o rap medíocre dosingle homônimo) chegou a ganhar pouco espaço na mídia. Outroponto para Madonna, que ainda não acabou a blitz. Hoje elaaparece no horário nobre da emissora de TV americana NBC em umaentrevista "polêmica" dada para o jornalista Matt Lauer. Elepergunta por exemplo se ela acha que é "relevante". "Claroque eu sou relevante! Mas, no fim das contas, a Aretha Frankliné relevante? E o Frank Sinatra? Que artista é relevante?"

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.