Madonna bate recorde com turnê "Confessions"

Madonna encerra a turnê "Confessions" nesta quinta-feira com show no Estádio de Tóquio, no Japão, com mais um registro de grande sucesso na carreira: apesar da polêmica cena da "cruficação", que causou a revolta de líderes religiosos, ela conseguiu o maior rendimento já obtido por uma intérprete feminina, segundo publicou a edição online da revista "Billboard". Embora os números finais ainda não tenham sido contados, o produtor da turnê, Arthur Fogel, estipula que o lucro obtido seja de US$ 193 milhões - foram 60 shows, assistidos por 1,2 milhões de pessoas. De acordo com a "Billboard", em seis anos de shows e diferentes turnês, Madonna vendeu mais de US$ 400 milhões em ingressos.Com esse resultado, Madonna bate o lucro de Cher, de US$ 192,5 milhões. Cher conseguiu o recorde com 273 shows da turnê "Farewell" realizados entre junho de 2002 e abril de 2005. "Madonna novamente faz um incrível show para seus fãs, e o sucesso da turnê é a mais recente prova", relatou Fogell à revista. "Ela certamente é a número um".PolêmicaA cena em que Madonna é crucificada no show turnê "Confessions" causou polêmica entre católicos e ortodoxos. O arcebispo católico de Moscou, Tadeuz Kondrusiewicz, pediu "encarecidamente" para que ela não se crucificasse na apresentação em Moscou, na Rússia. A pop star manteve, no entanto, a encenação. Poucos dias antes do concerto em Moscou, que aconteceu no dia 12, cerca de 100 radicais ortodoxos se manifestaram na praça Pushkin de Moscou para pedir uma "nova inquisição", com o propósito de lutar "contra a profanação dos cruzamentos, dos ícones e da simbologia da ortodoxia russa". A União de Porta-bandeiras Ortodoxos disse que faria o possível para cancelar o show de Madonna, acusado por alguns de "sacrilégio".A diva irritou também os católicos quando foi apresentar o show em Roma. "Crucificar-se na cidade do papa e dos mártires é um ato de hostilidade", disse em tom de condenação o cardeal Ersilio Tonini, segundo publicou o jornal "La Stampa". "É um escândalo criado inclusive por comerciantes astutos para atrair publicidade". Madonna respondeu às críticas com provocação: convidou o papa Bento XVI para conferir sua performance.Líderes muçulmanos e judeus também criticaram o ato. "Não é a primeira vez que Madonna monta um show como este. Nós deploramos. Acreditamos que é de mau gosto", disse Mario Scialoja, presidente da Liga Mundial Muçulmana na Itália.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.