Macklemore & Ryan Lewis: os novos queridinhos do hip-hop e da comunidade gay

Clipe do single 'Same Love' trata relações homoafetivas de maneira respeitosa

Gabriel Perline, O Estado de S. Paulo

23 Janeiro 2014 | 22h58

Quando Eminem invadiu a cena hip-hop, no final dos anos 1990, e chamou a atenção por ser um dos raros cantores de pele branca a entrar numa seara dominada pelos negros, parecia que o caminho estava aberto para a "democratização" - se assim podemos dizer - do estilo.

Os anos passaram e nenhum outro como ele chegou próximo aos feitos de Eminem. Isso até 2012, quando o rapper Macklamore se uniu ao produtor Ryan Lewis e conquistou o público com a divertida Thrift Shop. Com o hit chiclete e bonachão estourado nas rádios, o sucesso do clipe foi instantâneo. Até esta publicação, o vídeo contabilizava 485 milhões de visualizações.

Mas foi quando o duo lançou Same Love como single é que até mesmo os desatentos ao estilo notaram sua existência. E isso inclui a comunidade gay, que se sentiu amparada ao ser retratada de maneira respeitosa. Afinal, a grande maioria dos rappers prefere enaltecer as conquistas financeiras e as façanhas sexuais com seus haréns em vez de levantar discussões sociais em seus trabalhos.

 

 

 

 

E a música surgiu em boa hora. Em junho do ano passado, com a queda do Doma (Defense of Marriage Act) - lei federal que negava direitos constitucionais a casais de mesmo sexo -, promovida pela Suprema Corte dos Estados Unidos, Same Love figurou como hino.

Daí em diante, Macklemore & Ryan Lewis se tornaram as novas pérolas do estilo. E o reconhecimento veio nas grandes premiações musicais. Foram três troféus no Video Music Awards, título de revelação do ano no inédito Youtube Music Awards e a escolha do público como melhor artista de hip-hop no People's Choice Awards, realizado neste ano.

Por se tratar de um frescor no cenário que raramente se reinventa, Macklemore & Ryan Lewis disputam seis categorias no Grammy Awards. E não se assuste caso a dupla supere nomes tarimbados, como Jay-z, Drake e até mesmo Eminem.

Mais conteúdo sobre:
Grammy

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.