Luteria nacional é destaque de exposição

Ainda incipiente no Brasil, a luteria (prática de construção de instrumentos de cordas) nacional será o destaque, dos dias 7 a 15 de outubro, de uma exposição comemorativa dos 500 anos do Descobrimento, na Trienal de Cremona, na Itália, cidade do lendário Antonio Stradivari. Encabeçado pelo lutiê Saulo Dantas-Barreto, presidente da Associação Brasileira de Luteria, um time de nove artistas vai expor seus trabalhos na prefeitura da cidade.O destaque da exposição é o violino Brasil 500, construído por Dantas-Barreto a pedido do artista Antônio Nóbrega. "É um violino construído a partir de técnicas barrocas que tem também inscrições e desenhos, de Dante Suassuna, que procuram simbolizar os nossos 500 anos de história", indica o lutiê, que tem no currículo a reprodução de uma harpa Stradivarius, de 1681, feita a partir do único exemplar existente do instrumento, que está guardado no Conservatório San Pietro a Majella, de Nápoles. O original e a reprodução são propriedades oficiais do governo italiano.Violino baiano - Outra conquista que é motivo de orgulho para Dantas-Barreto, estudante de violino baiano que deixou o País para se dedicar à arte de construir instrumentos, foi a confecção de um quarteto de cordas especial, o Quarteto Real que foi entregue à família real espanhola. "Construir um quarteto é algo bastante complicado: não se trata apenas de fazer quatro instrumentos, mas de compô-los de modo integrado para que possam soar juntos adequadamente." "É uma verdadeira expedição de lutiês e construtores de arcos que querem mostrar a qualidade de seu trabalho e do artista brasileiro."Além dele, estarão na exposição Antônio Tessarim (um violão), Carlos Jorge de Oliveira (dois violinos), Ivan Guimarães, Hélcio Fomin e Daniel Lombardi (arcos), Nilton de Camargo (uma viola), João Batista (um cavaquinho) e Rafael Sando (dois violinos).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.