Lulu Santos se apresenta em SP no final de semana

Muita coisa mudou desde que o cantor e compositor Lulu Santos estreou seu show Popstar, em fins do ano passado. O repertório, principalmente. É o que o músico promete mostrar na sua volta a São Paulo, amanhã e domingo, no Citibank Hall. Nesse meio tempo de turnê, Lulu foi adicionando canções novas. "Estou tocando sete músicas, que são recentes. Elas entrarão num novo projeto", explica Lulu. "Foram entrando à medida que foram feitas, com entusiasmo." Músicas de um universo sonoro bem diversificado, antecipa o próprio. Entre elas, Propriedade Particular, Domingo Maldito, Seu Aniversário, Dopamina, Contatos e Olhos de Jabuticaba. Dá um gostinho do próximo trabalho, para o qual já entrou em estúdio na última segunda-feira. Além do show, o músico disponibiliza um pouco do novo material em seu site. "Acho legal isso. Por causa desse recurso (a internet), é quase como oferecer ao freguês uma lasquinha do produto." Com uma formação musical mais simples do que em turnês anteriores - no palco, Lulu é acompanhado por um trio de baixo, teclados e bateria -, Popstar ainda preserva vestígios do recente CD Letra & Música, que dá mote ao show, e uma parte dedicada aos antigos sucessos. Esse repertório, praticamente, obrigatório reúne suas contribuições ao pop nacional, como Tempos Modernos, Sábado à Noite e Assim Caminha a Humanidade. Tem também uma versão para 100% Funk, de MC Marcinho, e a nova Ninguém Merece, gravada pelo grupo Cidade Negra para seu próximo CD e DVD. "O espetáculo está estruturalmente diferente. Com outra voltagem", define. "O que vai se ver no show é quase uma confirmação do novo repertório." Lançado em outubro, Letra & Música é, digamos, o álbum menos conceitual de Lulu desde Programa e Bugalu. A razão disso? O músico carioca estava cansado de investir em projetos que o encantassem, mas que tivessem um subtexto embutido e que, toda vez, exigissem explicações. Optou, então, por um projeto sem complicações, mesmo nos momentos em que transformou em música experiências de vida, pensamentos e declarações de amor (e dor) para a eterna amada Scarlet Moon. A ela, emendou a trilogia musical De Cor, Manhas e Mumunhas, e Vale de Lágrimas. Nelas, ele expõe 28 anos de união, marcada por amor, tristeza, devoção e separações. Há ainda Din Don, parceria com Bernardo Vilhena, composta há quase 30 anos, da fase que ele próprio denomina de pré-Lulu Santos, de antes do disco Tempos Modernos. Para ele, o nome Letra & Música está mais para o espírito do CD, assim como Popstar está mais para o clima do espetáculo. Popstar é também a regravação que traz no CD do sucesso do grupo João Penca e Miquinhos Amestrados, velhos conhecidos de quem vivenciou os anos 80. "Tem horas do show que o Popstar domina." Lulu Santos. Citibank Hall. Avenida dos Jamaris, 213, Moema, 6846-6040. Sáb., 22 h; dom. 20 h. R$ 80 a R$ 120

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.