Lula apresenta para Bono programa de biodiesel

O programa brasileiro do biodiesel, um combustível não poluente que pode ser feito a partir de vários tipos de semente, foi apresentado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao líder da banda U2, Bono Vox. Os dois também falaram do programa Fome Zero, segundo informou o porta-voz da Presidência, André Singer.Lula mostrou a Bono um kit com vários tipos de sementes a partir das quais se pode fazer o biodiesel, e informou que para cada emprego gerado na indústria do biodiesel seriam gerados perto de 1.000 empregos indiretos no campo. Mais do que um programa de energia alternativa, o biodiesel tem sido encarado pelo governo como um projeto de geração de emprego nas regiões mais pobres do País - como por exemplo o sertão do Nordeste, onde pode ser cultivada a mamona, cuja semente é utilizada para fazer o biodiesel.Bono, porém, não cometeu a mesma gafe do governador do Paraná, Roberto Requião que, ao ser apresentado às sementes de mamona, enfiou um punhado delas na boca. Informado por Lula que as sementes são tóxicas, o governador as cuspiu."O presidente Lula disse ao Bono Vox que nosso sonho é poder fazer como o presidente Roosevelt fez no vale do Mississippi, de produzir um grande desenvolvimento no Nordeste a partir do biodiesel", afirmou o porta-voz. Nos anos 30, o presidente norte-americano Franklin Roosevelt fez um amplo programa de desenvolvimento na região do rio Mississippi. Em plena depressão econômica, foi realizado um conjunto de obras que, além de gerar empregos na região, tornou o rio navegável e iniciou um ciclo de desenvolvimento econômico, a partir de projetos de irrigação. Lula gosta de comparar o Nordeste ao estado do Tenessee, que é margeado pelo rio Mississippi, e a forma como Roosevelt transformou uma região pobre em uma das mais prósperas de seu país.Segundo Singer, o programa de biodiesel já possibilitou a geração de 65.000 empregos no País, cifra que deverá chegar a 100.000 até o final do ano.

Agencia Estado,

19 de fevereiro de 2006 | 16h37

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.