Lucy Vianna faria programação musical do CCBB

Aos 36 anos, a jornalista Lucy Needham Vianna, já tinha alcançado todas as metas com que as pessoas costumam sonhar: teve três filhos, escreveu um livro, plantou centenas de árvores. Conseguiu tudoisso depois de conhecer Herbert Vianna, a quem entrevistou para um documentário da BBC, em 1989. Eles acabaram se apaixonando e Lucy decidiu mudar-se para o Brasil. Ela chegou ao Rio, para ficar definitivamente, em 14 de março de 1990.Naquele dia, o ex-presidente Fernando Collor de Mello decretava o confisco da poupança. Ela não se assustou com o caos. Adotou o País como seu e aprendeu a falar português ?como uma carioca?, contam os amigos. Dois anos depois, casava-se com Herbert Vianna, numa igreja medieval inglesa. Tiveram três filhos: Luca, de 8 anos, Hope, de 5 e Phoebe, de 1 anos e meio. A rotina do casal era incomum: Vianna trabalhava aos sábados, domingos e feriados e folgava nos dias de semana, além de viajar muito. Lucy soube administrar a agenda desencontrada. Montou escritório de produção cultural ? o Quizumba ? perto de casa. Sem descuidar da carreira, acompanhava o marido nas viagens, levando os filhos na bagagem. Assim surgiu o livro Viajando com as crianças ? um guia para pais deprimeira viagem, lançado em 1997.As árvores, ela teve de plantar por imposição do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). Foidurante a construção da casa que ela e o marido ergueram em Vargem Grande, na zona oeste. O casal desmatou mais do que era permitido e, como multa, fiscais do Ibama determinaram que eles replantassem a área.Missão que Lucy cumpriu com alegria. Um dos melhores amigos de Lucy, o produtor Marcelo Dantas, estava inconsolável. ?Ela era generosa, linda, disposta, tinha sempre um sim no rosto. Lucy não precisava morrer assim?, disse. Na sexta-feira passada, antevéspera do acidente, eles se encontraram para discutir a abertura do Centro Cultural Banco do Brasil, em São Paulo. ?Ela estava preparando a programação musical, estava muito empolgada?, contou.A amiga e sócia da jornalista na produtora Quizumba, Roberta Brunhero, definiu Lucy como uma pessoa forte e determinada. ?É a melhor mãe queeu já conheci. Tão boa mãe que as crianças receberam a notícia da morte dela com muita serenidade. Elas são tão amadas, têm tanto equilíbrio, que estão mostrando ser muito mais fortes do que todos nós?, disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.