Luciana Souza chega a São Paulo depois de sucesso nos EUA

Sob o vão do Masp - lugar escolhidopor ela mesma para a entrevista - a cantora Luciana Souza, mesmotímida sob os olhares dos curiosos, se esforçava para fazer asposes que o fotógrafo pedia. "Nem sei se o museu ainda é´cool´. É um dos lugares que eu gostava de visitar quando moravaaqui", lembra a paulistana que há nove anos vive nos EstadosUnidos. Quem passava pelo Masp, não podia imaginar que aquelamulher miúda, com rosto de menina, já conquistou, aos 35 anos,os mais exigentes críticos americanos. Consecutivamente, em 2000 e 2001, Luciana foi citadapelo The New York Times como responsável por um dos melhoresdiscos de jazz do ano - na seleção feita pelo especialista emmúsica do jornal, Ben Ratliff. Sobre o álbum Brazilian Duos, que ficou em quartolugar na lista do ano passado, Ratliff escreveu: "é umainteligente coletânea de canções brasileiras em duetos de voz eviolão" e sobre a cantora: "ela tem uma voz finamente lapidada sensível, rara de se encontrar" Brazilian Duos é o primeiro álbum de Luciana gravadototalmente em português e traz clássicos da MPB. Mas não apenas:traz também composições de seus pais, a letrista Tereza Souza eo violonista Walter Santos. A formação musical da cantora começou no berço, passoupela pia batismal - a que foi levada pelo padrinho HermetoPaschoal - e teve influências de Gonzagão, grande amigo dafamília. "Minha música não é fácil de ser ouvida por sercomplexa", observa. "Por isso não agrada grandes massas,embora chame a atenção dos críticos", diz. Essa formação mais"elitizada" ela obteve na prestigiada Berklee School of Musice na New School of Conservatory, ambas localizadas em Boston. Um exemplo do estilo "difícil" de Luciana é o álbumThe Poems of Elisabeth Bishop and Other Songs, o terceiro desua carreira - ficou em quinto lugar na classificação do TheNew York Times de 2000 - , no qual ela musicou quatro textosda poetisa americana. Além do reconhecimento da imprensa americana, a cantoraconta com a admiração da comunidade acadêmica brasileira. Desencontro - Depois de sua primeira temporada nos EUA,ela voltou ao Brasil para ministrar com o maestro Benito Juarez,na Unicamp, o primeiro curso de música popular em umauniversidade brasileira. Tinha apenas 21 anos. Ainda hoje, 14anos depois, seu trabalho no exterior é pouco conhecido pelopúblico de seu País. A razão desse desencontro é, talvez, o fato de Lucianaainda não fazer parte do gueto das grandes gravadoras.Brazilian Duos - disco que ela considera de bossa nova,embora tenha sido classificado como de jazz pelo Times - eThe Poems ... foram lançados por um pequeno selo americano,o Sunnyside, que tem distribuição modesta. "Seria hipocrisia dizer que não quero ir para umagrande gravadora, mas no momento acho ótimo estar em um selopequeno. Tenho a liberdade de escolher meu repertório, meusmúsicos, enfim, fazer do meu jeito", diz. Brazilian Duos ainda não tem data para sair noBrasil, mas já pode ser comprado pelo site www.sunnysidezone.com por US$ 12,95.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.