Los Pirata é rock de pura diversão

Pois "a melhor banda de todos os tempos daúltima semana" em São Paulo é Los Pirata. Não que façam muitoesforço para isso. O que eles querem é apenas se divertir elevar o público no mesmo embalo. Hoje eles se apresentam no projeto Prata da Casa no Sesc Pompéia, em show de "pelo menos 40 minutos". Podeapostar que vale a pena. Além de todo o repertório do CD En Una Onda Neo-Punque que dura pouco mais de 36 minutos, eles tocam músicas inéditasque entrarão no próximo, e versões de Blackbird, dos Beatles,e Run Devil Run, de Paul McCartney. A influência está na cara.Há quem identifique também algo de Pixies e Jimi Hendrix no somsintético do trio. Mas são apenas partículas de um "pacotãofechado", que engloba country (na levada da guitarra), punk (naatitude, na velocidade e na praticidade), surf music (na pegadadançante e na inconseqüência) e um senso de humor (inclusive napronúncia propositalmente pastosa do vocalista) incomum para asbandas de rock atuais. O uso do portunhol nas pândegas letras,hai-cais de non sense, tem um subtexto bem-intencionado. "É umatentativa de aproximar a realidade brasileira dalatino-americana", sugere Paco. "Conheço muitos argentinos euruguaios, mas sinto que há uma barreira muito grande no Brasilem relação a eles. A gente só perde com isso." Apesar de ter no set uma bateria infantil de plástico,Paco (alterego de João Erbetta), o baixista Marcelo Effori(vulgo Loco Sosa) e o baterista Sérgio Villaça (ou JesusSanchez) são músicos calibrados e já tocaram com Arnaldo Antunese Moisés Santana, entre outros.Los Pirata. Hoje, às 21 horas. Entrada franca. Teatro doSesc Pompéia. Rua Clélia, 93, tel. (0xx11) 3871-7700

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.