Lorde aparece mais 'solar' no Lollapalooza

Show da cantora neozelandeza é quase um karaokê, de tão frugal

Jotabê Medeiros, O Estado de S. Paulo

05 de abril de 2014 | 22h52

Mais solar do que seu fase inicial sombria, de bustiê, a barriga descoberta, a cantora neozelandesa Lorde foi a primeira a conseguir encher o palco Interlagos, o menos badalado da turnê, durante sua apresentação. Fisicamente, ela parece uma mistura da atriz Amy Irving com a cantora Tarja Turunen, e exerce um fascínio estranho sobre as garotas, como uma líder tribal.

Ela tem uma voz interessante, mas pesa contra ela a formação incipiente que a acompanha, quase um karaokê de tão frugal. Lorde abriu com Glory and Gore e seguiu com Bitting Down e Tennis Court. Só no final vieram seus hits: Royals (que ganhou o Grammy) e A World Alone.

O momento de transição entre o final do show de Lorde e o meio do show do Phoenix quase causou uma calamidade, por causa do corredor intransitável que se formou, quase com gente pisoteada. Uma das coisas mal planejadas do festival.

 

Tudo o que sabemos sobre:
Lollapalooza

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.