Divulgação
Divulgação

Lollapalooza sofre com ausência de grandes artistas, mas ainda promete bons shows

Festival que começa neste sábado, 12, terá shows de Eminem e Florence and The Machine

Pedro Antunes, O Estado de S.Paulo

12 de março de 2016 | 06h00

Foo Fighters e Arctic Monkeys em 2012. The Killers, Black Keys e Pearl Jam em 2013. Muse e Arcade Fire em 2014. Jack White e Pharrell Williams em 2015. Eminem e Florence and The Machine em 2016? Compreensível o certo descontentamento com relação às principais atrações de cada uma das noites de Lollapalooza Brasil, na sua quinta edição em território nacional, realizado neste sábado, 12, e domingo, 13. 

Ao longo dos anos, desde a estreia do festival criado por Perry Farrell por aqui, os fãs se acostumaram a ver artistas em grandes momentos, com discos estourados em vendas, músicas nas rádios, coisas assim. Artistas que se apresentavam em estádios mundo afora e, aqui, haviam sido escalados para encerrar noites memoráveis de festa. O Lolla 2016 não traz nomões. Florence Welsh, com sua bandas, tem o bom disco How Big, How Blue, How Beautiful, lançado há quase um ano, mas está longe de se apresentar para multidões que passam da dezena de milhares. Eminem, grandíssimo no início da década passada, tem como o último disco The Marshall Mathers LP 2, de 2013. Desde aquele ano, são poucos shows de Slim Shady, como o rapper também é conhecido. 

O que o Lollapalooza fez, desta vez, foi apostar em boas atrações que ficam com os horários intermediários, do meio para o fim da tarde até o início da noite. É ali que estão as grandes atrações do festival. 

É o caso do Eagles of Death Metal. A banda, aquela que tocava na casa de shows Bataclan, em Paris, quando três terroristas armados da cabeça aos pés decidiram abrir fogo contra a plateia, em novembro do ano passado, se apresenta às 15h05, no palco Onix Stage. Horário pouco convidativo e, por isso, provavelmente poucos estarão lá para testemunhar o retorno da banda ao Brasil. Outras boas atrações passam pelo sábado, como Of Monsters and Men (às 17h15), Cold War Kids (também às 17h15), Tame Impala (18h35), Mumford & Sons (19h55) e Die Antwood (20h15). As três últimas dessa lista são imperdíveis, aliás, mas os horários encavalados só lhe permitirão assistir a dois deles de forma completa. 

O quebra-cabeça de domingo é menos complexo quando o assunto é escolher entre quais shows assistir, já que a maioria dos grandes nomes ficou concentrada no primeiro dia de festival. Albert Hammond Jr., o ótimo guitarrista do Strokes, dividirá a atenção do público com o Alabama Shakes por 15 minutos. Ele se apresenta às 16h, no palco Axe Stage, e a dona da melhor voz do festival inteiro, Brittany Murphy, sobe ao Onix Stage às 16h45. Há, ainda, o sempre imperdível Noel Gallagher (17h50), com o projeto solo Hight Flying Birds, a bela banda Jungle (19h) e o interessante projeto de Diplo com Skrillex, Jack Ü (19h10). 

No fim das contas, Eminem e Florence and The Machine estão longe de serem os principais shows do festival, mesmo que estejam no lugar de maior destaque. A quinta edição do Lollapalooza é especialmente criada para o garimpo musical. 

Planet Hemp destoa do resto dos brasileiros 

No Lollapalooza, há espaço para artistas brasileiros, mas é preciso chegar cedo - e, acredite, vale a pena prestigiar os escolhidos do time nacional. A única exceção é o Planet Hemp, que entrou para substituir Snoop Dogg e voltará ao Lollapalooza (eles passaram pelo festival em 2013) com destaque. A banda liderada por Marcelo D2 preenche um espaço digno de headliner gringo, encerrando as atividades do palco Axe Stage, às 20h45, competindo com Florence and The Machine. 

Entre o restante de brasileiros, o sábado tem o ótimo duo The Baggios (12h05), a sempre consistente Supercombo (12h45), a ainda pouco rodada Dônica (12h55) e a pesada Matanza (14h). No domingo, os destaques são o excelente trio Dingo Bells (12h), a boa Maglore (12h55), a roqueira Versalle (13h) e o rapper Emicida (19h35).

LOLLAPALOOZA 2016

Autódromo de Interlagos. 

Av. Sen. Teotônio Vilela, 261. Sáb. (12) e dom. (13), a partir das 12h. R$ 450 (1 dia), R$ 800 (2 dias)

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.