Taba Benedicto/Estadão
Taba Benedicto/Estadão

Lollapalooza 2022: Emicida comandou homenagem a Taylor Hawkins

Após apresentações de rap, Planet Hemp animou plateia, que viu o encerramento do festival pela banda de rock Ego Kill Talent; baterista ainda foi reverenciado ao apagar das luzes, com vídeo do Foo Fighters em telão

Patrick Freitas, Especial para o Estadão

28 de março de 2022 | 01h04

O festival Lollapalooza chegou ao fim neste domingo, 27. A homenagem ao baterista Taylor Hawkins, encabeçada por Emicida e Rael, começou com um vídeo do criador do Lollapalooza, Perry Farrell, falando sobre a amizade que os dois mantinham. 

Logo após foi exibido um vídeo com uma parte da apresentação da banda Foo Fighters na edição do Lollapalooza de 2012. Então, começaram os shows. Logo no começo, Criolo foi convidado e cantou Não Existe Amor Em SP.

Então surgiram Bivolt e Drik Barbosa. Na mesa de som, DJ Nyack e DJ KL Jay comandaram os remixes. Até então, a plateia se encontrava morna. Foi quando Mano Brown e Ice Blue apareceram para cantar. Eles retiraram algumas reações da plateia, ainda mais nos clássicos do Racionais MCs, como Da ponte Para Cá, mas o público ainda não se empolgava tanto. Talvez pela certa distância que existe entre o Hip-Hop e o rock.

Mas logo o cenário se alterou com a chegada de Planet Hemp, que incendiou o público com o hard-rock que a audiência realmente queria e procurava. O show, junto ao do rapper Djonga, foi o mais político do Lollapalooza.

Marcelo D2 E BNegão entregaram tudo o que a plateia queria. Os espectadores se animaram a ponto de se formarem rodas de 'bate-cabeça' enquanto D2 cantava Deixa a Gira Girar, do trio Os Tincoãs. 

Após a apresentação, a banda Ego Kill Talent também trouxe mais rock. Mas dessa vez com algo mais próximo dos homenageados. A última música tocada foi um cover de Everlong, dos Foo Fighters.

Após tudo isso, outro apresentação da banda em 2012 foi exibida, fazendo com que o público cantasse junto. Ao final, o palco ficou vazio, com uma bateria iluminada e o nome de Taylor no telão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.