Rafael Arbex/Estadão
Rafael Arbex/Estadão

Lollapalooza 2018: The Killers mostram que ainda dão um caldo

Banda encerra o festival com 'Mr. Brightside', o hino indie dos anos 2000

João Paulo Carvalho, O Estado de S.Paulo

25 Março 2018 | 23h11

Foi, de fato, o Lollapalooza das massas. Segundo a Time For Fun, organizadora e produtora do evento, 300 mil pessoas passaram pelo Autódromo de Interlagos entre os dias 23 e 25 de março. Um recorde de público. O The Killers, principal atração do domingo, ficou com a missão de encerrar os trabalhos do festival. O vocalista Brandon Flowers e sua trupe, obviamente, não decepcionaram. Com um show recheado de hits, deram números finais à edição de 2018. 

+++Lollapalooza 2018: Festival sofre mutação e aposta em medalhões e entretenimento

Pode até parecer estranho, mas o The Killers já tem mais de 15 anos de estrada. A geração teenager 2000 envelheceu e a MTV Brasil não exibe mais videoclipes, mas as canções  da banda ainda funcionam bem ao vivo. Somebody Told Me é a prova empírica disso. A letra longa e complexa de Flowers, somada aos riffs estridentes da guitarra justificam o grupo de Las Vegas como headliner do Lolla. "E aí, São Paulo. Vocês estavam com saudades? Faz tempo, não? Eu prometo que nós não vamos ficar tanto tempo assim sem nos vermos", berrou Brandon logo no início da apresentação. A última passagem do The Killers pelo País foi em 2013, justamente numa edição do Lollapalooza.

+++Lollapalooza 2018: artistas nacionais ficam com os piores horários

As canções do elogiado 'Wonderful Wonderful', disco mais recente, lançado no ano passado, foram bem recebidas. Com uma proposta megalomaníaca, as músicas ganharam ainda mais força num festival gigantesco como o Lollapalooza. Se a proposta de Brandon era mesmo a de fazer música para encher estádios, ele, de fato, conseguiu.

+++Lollapalooza 2018: Com mensagem para a zona sul, Mano Brown faz festa soul no festival

Simpático, Brandon chamou uma menina da plateia para tocar bateria com a banda em uma das músicas. Em 'Human', uma catarse coletiva tomou conta do público, que não parou de aplaudir por um minuto sequer. "Que bonito isso", elogiou Brandon ao ver as luzes dos celulares iluminando o Autódromo de Interlagos, que estava prestes a se despedir de mais uma edição do Lollapalooza Brasil.

+++Lollapalooza 2018: Liam Gallagher chega como um dinossauro precoce

'Mr. Brightside', do disco 'Hot Fuss' (2004), é o maior hit indie dos anos 2000. A música ainda provoca danos irreparáveis no público. Muitos cantam a canção de cabo a rabo sem derrapar em uma única parte. Nenhuma outra música poderia encerrar esta edição do Lollapalooza de melhor forma. 'Mr. Brightside' representa toda uma geração que cresceu consumindo música em um aparelho mp3 de 1 giga.

+++Lollapalooza 2018: Pearl Jam prova que continua com tudo no lugar

 

 

Mais conteúdo sobre:
música Lollapalooza The Killers

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.