Sérgio Castro/Estadão
Sérgio Castro/Estadão

Lollapalooza 2017: Bob Moses investe em matinê eletrônica

Duo canadense toca para poucos e devotados fãs no palco Axe do festival

Júlio Maria, O Estado de S.Paulo

25 Março 2017 | 16h37

Duzentos ou um pouco mais de fãs pode parecer um bom número se o show de uma banda indie for em uma casa da Rua Augusta, mas no palco Axe, aparenta o fracasso. O duo eletrônico Bob Moses, dos canadenses Tom Howie e Jimmy Vallance, acompanhado por um baterista, era mais observado pela plateia ainda dispersa que se concentrava ali. Seu rock nostálgico, feito com toneladas de bits eletrônicos, criou uma espécie de matinê ao público que passava pelo ponto estratégico do Axe, o primeiro palco e rota de acesso obrigatória a quem segue para os demais. 

Bob Moses, em cinco anos de carreira, mostra personalidade de um som grave e mântrico, mas ainda não consegue trazer para si uma plateia que, se não era numerosa, vinha com boa vontade para recebê-los de braços ao alto. Uma proposta híbrida de som programado pelo teclado tocado com a guitarra e a bateria de verdade é uma discussão que pode valer. Para o que Bob Moses queria, fazer adolescentes encontrarem-se com amigos e curtirem sem maiores euforias, ela funcionou.

Mais conteúdo sobre:
Rua Augusta

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.