Lobão critica Chico Buarque, igrejas e rádios

O cantor Lobão chacoalhou mais as tendas de cultura da 11ª Jornada Nacional de Cultura de Passo Fundo que os próprios ventos, que assediaram a região nos últimos dias. Além de realizar um show assistido por poucos, Lobão disparou contra grandes nomes da MPB e contra a religião. "Somos o país da chanchada; somos de quinta categoria, mas ainda tentamos manter nossa auto-estima", disse.Lobão se apresentou na noite de quarta-feira, mas o público estranhou o repertório de seu último CD que, como os outros, é vendido em bancas de jornal. Com isso, iniciou-se uma autêntica debandada. "Acho isso ótimo pois prova que o público tem opinião", defendeu-se Lobão. "Prefiro que a platéia que não goste se levante e vá embora ao invés de ficar se torturando com meu show."O músico se apresentou no mesmo espaço, o circo cultural, onde, no dia anterior, Chico Buarque de Holanda recebeu um prêmio por seu romance Budapeste. Lobão aproveitou para criticá-lo, dizendo ser um representante da classe média burguesa.O cantor não perdoou também as emissoras de rádio, que transmitem uma programação que não representa o que se consome no País. "Impõe-se uma trilha sonora que não corresponde ao que nós vivemos", disse. "No ano do Brasil na França, exportamos Ivete Sangalo, Carlinhos Brown e Caetano Veloso, monoculturalmente. Isso representa o Brasil? Não me representa."Lobão disse ainda que, no Brasil, a fofoca predomina sobre a opinião - aqueles que arriscam se posicionar, são encarados como problema. "É o problema de ser um povo católico, que não aceita críticas. A religião é o nosso fim."O crescimento do número de igrejas evangélicas é resultado do agravamento da violência nas grandes cidades, segundo o músico. Com isso, diminui-se o fluxo da cultura e, por extensão, favorece a quantidade de jabás. "Acho que a gente tem que se educar, se divertir com aquilo que acha que é melhor."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.