Livro celebra centenário de Clementina de Jesus

O centenário de Clementina de Jesus não passou em branco em Valença, cidade do vale do Paraíba, no Rio, onde ela nasceu em fevereiro de 1901. A prefeitura lança amanhã à noite, no Museu da Imagem e do Som (MIS) do Rio, o livro Mãe Quelé, com a biografia e depoimentos de personagens que conviveram com a maior partideira que o Brasil já teve. O livro vem acompanhado de um CD gravado para o MIS nos anos 70 e de umadiscografia completa, levantada por Paulo César Andrade, cujos títulos, infelizmente, são encontrados só em vinil e, mesmo assim, em sebos. Com o lançamento, será inaugurada também umaexposição de caricaturas da cantora.Clementina não foi esquecida. A história de Mãe Quelé comprova que não. A professora de literatura Dilma Mazeo quis homenageá-la assim que assumiu a Secretaria de Cultura de Valença, no início do ano, mas esbarrou na falta de informação. Decidiu então erguer-lhe um busto e dar seu nome à praça em frente da igreja principal, dedicada a Nossa Senhora da Glória,santa da devoção de Clementina e certamente sua protetora, pois foi cantando numa festa do Outeiro da Glória, no Rio, que o compositor e pesquisador Hermínio Belo de Carvalho a descobriunos anos 60.Feliz com a homenagem, Hermínio quis mais. "Busto conta história. Sugeri um livro e um disco, ela topou e conseguiu um financiamento da Finep", conta Hermínio, para quem homenagens aClementina nunca são demais. "Ela nos forneceu os códigos que nos faltavam para descobrir a África que não sabíamos decifrar. Quando ouço Marisa Monte revisitar seu repertório, sei que elanão será esquecida."Nas escolas - Mãe Quelé parte dos textos escritos por Nei Lopes (analisando a questão negra), Lena Frias e o próprio Hermínio para a caixa de nove CDs que a BR-Distribuidoralançou este ano como brinde, mas ganhou ainda depoimentos recolhidos na biografia dela lançada pela Fundação Nacional de Arte (Funarte) e pela editora LBA nos anos 80. Pena que o discoe o livro não chegarão às lojas , só serão distribuídos em escolas e bibliotecas. Por enquanto, quem quiser ouvir Clementina terá à disposição apenas o disco dela na coleçãoRaízes do Samba, da EMI-Odeon, uma coletânea aquém de seu talento, na opinião de Hermínio Belo de Carvalho.Se depender de Dilma e de Valença, essa situação não perdura. Nos dias 23 e 24 deste mês, o Rio promove um encontro de jongueiros, do Estado do Rio e de São Paulo, para lançar Mãe Quelé. E a prefeitura pretende ainda transformar emcentro de memória a casa onde Clementina nasceu, no bairro periférico de Carambi (hoje ocupada por outra família). "Ela é nossa cidadã mais famosa, ao lado da violonista Rosinha de Valença e da atriz Dulcina de Moraes", lembra Dilma. "Nossaintenção é homenagear as três e manter viva a memória delas. Já estamos pesquisando a vida de Dulcina e também buscando informações com a família de Rosinha."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.