Live Nation e U2 fecham acordo de merchandising por 12 anos

A Live Nation anunciou nasegunda-feira que assinou um contrato global de 12 anos paracontrolar os direitos de merchandising, digitais e de marca dabanda irlandesa U2, além de continuar a administrar suasturnês, como já faz agora. O contrato com o U2, uma das maiores bandas de rock domundo, foi selado cinco meses apenas depois de a Live Nationter anunciado a formação de uma parceria com a popstar Madonna,abrangendo inclusive os cobiçados direitos sobre suasgravações. Mas a Live Nation disse que o U2 vai dar continuidade a seurelacionamento de longa data com a Universal Music, doconglomerado de mídia francês Vivendi, que cobre suas gravaçõese a publicação de suas canções. A empresa não revelou os termos financeiros do contrato como U2. O contrato com Madonna, que incluiu os direitos sobre suasgravações, foi estimado em 120 milhões de dólares ao longo dedez anos, incluindo um compromisso da artista de criar trêsálbuns depois do último que fizer com sua gravadora atual, aWarner Music Group. A Live Nation, que administra as turnês do U2 há mais de 20anos, vem ampliando seu modelo de negócios para desenvolverrelacionamentos mais profundos e abrangentes com artistas,cobrindo mais que suas turnês. A parceria com o U2 vai incluir direitos de merchandising elicenciamento, patrocínios, alianças estratégicas, direitosdigitais, Web sites, fã-clubes e outros serviços de marketing ecriativos. Michael Cohl, presidente do conselho da Live Nation, disseque o novo modelo vai ajudar a empresa a aumentar suas margensde lucro. Analistas dizem que as turnês e as vendas deingressos tradicionalmente são negócios com baixas margens delucros. As tentativas da Live Nation de diversificar seus negóciose atrair artistas ligados a selos musicais se dão num momentoem que os maiores selos também procuram reinventar seusnegócios e controlar os direitos sobre turnês, músicas digitaise merchandising de seus artistas. As empresas de música estão ansiosas para substituir asreceitas perdidas pela queda nas vendas de música gravada. Osfãs andam comprando menos CDs e não vêm comprando músicadigital suficiente para compensar a perda. As maiores gravadoras já começaram a assinar com algunsartistas contratos chamados de 360 graus, cobrindo, além dasgravações, a publicação musical, turnês, direitos digitais eoutros. Cohl disse que sua firma vai centrar seus esforços nacontratação de outros grandes artistas, em lugar de desenvolvernegócios novos, como um selo musical tradicional ou editoramusical. "Nossa intenção é trabalhar com artistas que já estejamfazendo sucesso, ou que estejam a caminho de fazer sucesso",disse ele. A Live Nation disse que sua nova estratégia vai incluirtambém seu site LiveNation.com, que, segundo Cohl, visatornar-se o maior portal musical na Web, através de um misto devenda de ingressos, vendas de produtos ligados aos artistas,fã-clubes e outros.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.