Lily Allen estréia com problemas de som e microfonia no Brasil

Cantora faz show fraco no início do Planeta Terra Festival, e o Cansei de Ser Sexy é primeiro destaque da noite

Jotabê Medeiros ,

10 de novembro de 2007 | 23h29

Problemas de som, microfonia, equalização ruim: o início do show da cantora inglesa Lily Allen no Planeta Terra Festival, o primeiro destaque da noite no palco principal, começou de forma atrapalhada. A voz de Lily já não é das melhores, ela é uma péssima performer e as músicas meio repetitivas (talvez porque tenham quase todas se tornado hits, e ela só tem um disco). Mas a banda da cantora é bem boa.     Ao começar o show, Lily disse que não sabia nada de português, mas levantou um chinelo do chão e disse que pelo menos conhecia as Havaianas.       O local onde foi instalado o festival, uma antiga fábrica desativada próxima à Ponte do Socorro, na zona sul de São Paulo, parece ter sido aprovado pelo público – o espaço é bem dividido, os shows estão começando no horário, os serviços são adequados e os palcos bem distribuídos. Um único problema até agora: quando pinta uma atração grande, o espaço do público no palco principal fica pequeno e todo mundo fica meio apertado. O acesso ao local também está sendo fácil, com apenas alguma lentidão previsível na Avenida das Nações Unidas, acesso principal da mostra.       No palco Indie, o destaque da noite até as 23 horas era o grupo brasileiro Cansei de Ser Sexy. Quase provoca uma migração do palco principal, durante o show de Lily Allen, para lá. O grupo está anos-luz de distância de suas primeiras apresentações no Brasil, quando o som era triste de tão amador. Antes de cantar Fuck Off, a vocalista Lovefoxx disse: "Essa é nossa canção triste. Quero ver todo chorando". E a platéia caiu na farra. Lovefoxx, com o rosto pintado e um macacão dourado brilhante de clown, parece a Formiga Atômica do desenho animado. Cantaram uma música nova, Lindja. Lovefoxx também passou o show reclamando do som.     Antes do CSS, o Datarock, todos na banda vestidos com capuzes vermelhos, fez um show cheio de energia, mas no quesito originalidade, zero. É uma bandinha, nada demais. Negra Li e B-Negão, pouco antes, ensaiaram um bom show com o Instituto. var keywords = "";

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.