Libertado o homem que esfaqueou Harrison

Um homem esquizofrênico que esfaqueou o beatle George Harrison recebeu liberdade condicional de um manicômio judicial nesta quinta-feira em Liverpool, na Inglaterra. A família de Harrison qualificou a decisão de libertá-lo _ tomada por um conselho formado por um juíz, um psiquiatra e um representante da comunidade _ de "ofensiva e perturbadora". Harrison morreu de câncer em novembro passado, aos 58 anos.Michael Abram, de 35 anos e com uma longa história clínica, disse aos psiquiatras que ele invadiu a casa de Harrison e o esfaqueou, em 30 de dezembro de 1999, porque acreditava estar numa "missão divina". As várias punhaladas desferidas no músico causaram a perfuração de um de seus pulmões. Quando a mulher dele, Olivia, tentou defendê-lo, ela também foi atacada. Abram foi julgado por tentativa de assassinato, mas a Justiça o declarou inocente em novembro de 2000, por ser doente mental, e o encaminhou ao manicômio."Nós certamente desejamos que o senhor Abram tenha saúde (mental), mas apresentar isso como um fato depois de tudo o que aconteceu é profundamente ofensivo e perturbador, e nos sentimos novamente abandonados pelas autoridades", disseram, numa declaração escrita, Olivia Harrison e o filho do casal, Dhani.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.