Lera Auerbach cria ótima obra a partir de carta-poema a Rilke

Russa apresentou-se na quinta na Sala São Paulo em concerto receptivo para o novo

João Marcos Coelho, O Estado de S. Paulo

04 de dezembro de 2013 | 20h19

A leitura da carta-poema que Marina Tsvetaeva escreveu em dezembro de 1927 a Rainer Maria Rilke pouco depois da morte do poeta alemão já proporciona fortes emoções. Mais ainda quando uma compositora atual, russa como Marina e na casa dos 40 anos, coloca música nestes versos impactantes, prenhes de sonoridade musical. Melhor ainda: a própria compositora também é poeta. A Sinfonia no. 2 – Réquiem para um Poeta, de Lera Auerbach, é daquelas obras que a gente não consegue – nem quer – esquecer. De grande porte, prevê coro, orquestra e, num felicíssimo lance criativo, os dois solistas, mezzo-soprano e violoncelo, encarnam Marina e Rilke. 

Pena que, na última quinta-feira, boa parte da plateia tenha abandonado a Sala São Paulo após o término da primeira parte, encerrada com  A Tempestade de Tchaikovski. Eles não puderam brindar com Marina-Lera: “Feliz novo olhar, Rainer, feliz novo ouvido”. Azar de quem tem ouvidos conformistas. Sala de concerto não é spa de almas de ouvidos cansados. De novo: pena que só raramente irrompam obras que  nos deixem  receptivos para o novo.

Aliás, um verso como “feliz novo ouvido” remete, obrigatoriamente, aos votos de ano-novo de John Cage meio século depois, “Happy new ears”. Nesse sentido, a linguagem musical de Lera não é algo novo. Ela integra o universo geral da contemporaneidade à leste europeu e Rússia que Gidon Kremer tanto promove e a ECM de Manfred Eicher grava -- há décadas. Não se trata de cobrar “posição” de ninguém, só de constatar uma opção de Lera. Sua música justifica-se plenamente quando se alia a textos de forte conteúdo emocional. Tanto que Post Silentium, obra orquestral de 2012 que abriu o concerto de anteontem, apenas prova que ela sabe lidar com a paleta sinfônica: longos pedais, estridências bem colocadas, numa ambiência tonal declarada. Não que isso seja ruim. Apenas, é música que não se sustenta sem texto. Por isso na segunda sinfonia Lera consegue um resultado excepcional. A execução em geral foi  boa: excelentes a mezzo-soprano Zoryana Kushpler e o cellista Narek Hakjnazaryan; nem tanto as trompas, expostas demais e com falhas em Tchaikovski; a regência um tanto dura de Celso Antunes travou um pouco orquestra e coro.

Detalhe impossível de justificar: a Osesp coencomendou esta obra a Lera ao lado da Staatskapelle Dresden (já fez isso com John Adams e um mexicano).  Será que uma tradicionalíssima orquestra alemã necessita mesmo de parceiros latino-americanos para uma encomenda dessas? Por que uma orquestra norte-americana ou europeia não co-encomenda com a Osesp obras de grande porte, orquestrais, a compositores brasileiros? Uma via de mão única como esta parece tosco lance de marketing para aparecer no Primeiro Mundo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.