Laura Pausini volta ao Brasil com álbum de hits

Ela era apenas uma adolescente quando ganhou o Festival de San Remo e tornou-se uma instantcelebrity da música romântica italiana. "Agora eu sou uma mulher, não sou mais uma ragazza", decreta Laura Pausini, meioem italiano, meio em português, em entrevista, por telefone. O resultado dessa descoberta poderá ser visto em trêsshows no Credicard Hall, amanhã, sexta e sábado. "Sou uma pessoa de sorte, que realizou muito cedo todos os desejosmusicais, e ambiciona novos objetivos", ela conta, explicandopor que acaba de gravar um disco em inglês, em Los Angeles (ela canta em 8 idiomas). Além dos shows, ela aproveita para lançar acoletânea The Best of Laura Pausini (Warner Music).Nesses anos, ela criou também extenso público no Brasil,terra onde não fica um ano sem vir. E conquistou admiradores depeso, como o cantor Renato Russo, que gravou três composiçõesdela. Também é muito bem-recebida no show biz da televisão, comsua franca simpatia e a beleza lavada, limpa."Adoro o Faustão, o Serginho (Groisman), a Hebe", elaconta. "O Serginho e eu trocamos e-mails sempre, ele é umapessoa muito inteligente e divertida", continua. "E eu diriaque a Hebe é a minha fada-madrinha".Agora, seu novo fã declarado é Gilberto Gil, de estilodiametralmente oposto ao derramamento doce de Laura. "Eu nãoconhecia Laura e o seu trabalho até receber o convite para estagravação, convite que veio acompanhado de dois dos seus discos", afirmou Gil. "Ao ouvi-los, fiquei conhecendo uma cantora dealta qualidade técnica e viva emoção, à altura das grandesintérpretes italianas e ao nível das grandes intérpretesinternacionais atuais".Para Laura Pausini, gravar com Gil foi a realização deum sonho de infância. "Meu pai tinha os discos dele, quando eucomecei a cantar", ela lembra. "Eu tinha 2 anos e ele era umdos meus ídolos". Incluir uma canção com Gil, Seami Sai,cantada em português num álbum de maiores sucessos, segundo ela,foi ser coerente com "o percurso de toda minha vida musical".Laura Pausini. Quinta, às 21h30; sexta e sábado, às 22horas. De R$ 60,00 a R$ 360,00 (quinta e sexta); e de R$ 60,00 aR$ 320,00 (sábado). Ingressos antecipados de R$ 40,00 a R$ 20000. Esgotados os ingressos para quinta-feira. Credicard Hall.Avenida das Nações Unidas, 17.955, tel. 5643-2500. Estréiaamanhã (25).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.