Kulcsàr faz retrospectiva do fotojornalismo no Brasil

Para o professor de fotografia João Kulcsàr, o fotojornalismo sempre foi interpretado como trabalho efêmero, quase descartável. "No dia seguinte à publicação, as fotos perdem sua função e caem no esquecimento", comenta ele. Para mudar essa idéia, Kulcsàr organizou a mostra Fotojornalismo - Retrospectiva 1999, que será inaugurada amanhã, às 20 horas, no Centro de Comunicação e Artes do Senac.Para compor a mostra de 50 fotografias, que registram fatos de destaque do ano passado, foram selecionados trabalhos dos veículos que Kulcsàr considera os mais importantes do País, entre eles o jornal O Estado de São Paulo. Cada um contribuiu com dez fotos que estão divididas em esportes, política, cotidiano, retratos e cidades. "Além de rever os principais fatos de 99 pela lente de 32 dos maiores fotojornalistas brasileiros, a mostra reconta a história recente do País", explica. A idéia de criar uma restrospectiva surgiu quando Kulcsàr dava aulas no curso de fotografia do Senac e percebeu que muitos de seus alunos desprezavam o trabalho do fotojornalista. "Então passei a mostrar fotos antigas que marcaram época e continuam atuais, mantendo a sua função de mostrar fatos que fazem parte da história do País e do mundo".A introdução da fotografia digital nos veículos de informação também ganha destaque na retrospectiva. "Poucas fotos que compõem a exposição são digitais, mas elas tendem a aumentar nos próximos anos; nossa intenção é mostrar as mudanças que essa nova técnica traz", conta.Essa reflexão será aprofundada em Fotografia Digital no Fotojornalismo, palestra que antecede a abertura da mostra, às 19 horas, e terá a participação de Vidal Cavalcante, do Estado. Os fotógrafos discutirão as mudanças técnicas e as preocupações éticas que envolvem os direitos autorais e a manipulação das fotos registradas pela câmera digital.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.