Kléber Albuquerque retoma temporada de seu novo CD

O cantor e compositor KléberAlbuquerque dá continuidade amanhã, no Teatro Crowne Plaza, emSão Paulo, à temporada de shows que marca o lançamento de seumais novo CD, Amanhã Vai Virar hoje. Ele repete o espetáculo, com convidados especiais a cada noite, às quintas-feiras domês. O disco estará à venda, no teatro, por R$ 15,00. No show,Kléber canta músicas novas e lembra números dos discosanteriores - 17.777.700 (que saiu em 1997) e Para a Invejados Tristes (2000), ambos editados pela gravadora alternativaDabliú e ainda em catálogo.Os ingressos para os espetáculos custam, na bilheteriado Crowne, R$ 20,00. Mas podem ser comprados antecipadamente nosite do músico: www.kleberalbuquerque.com.br. Neste caso, opreço cai pela metade.Kléber participou do Projeto Prata da Casa, do SescPompéia, e, uma das grandes atrações, foi selecionado paramostra comemorativa dos dois anos do projeto, em janeiropassado. Algumas das faixas do novo disco foram gravadas ao vivo, no teatro do Sesc. O público ouve em silêncio respeitoso eaplaude calorosamente ao final.Pois ele é um compositor para ser ouvido com atenção.Trata-se do melhor poeta de sua geração - está naquela categoriados novos com mais de 30 anos, na companhia de Mônica Salmaso,Renato Braz ou Dante Ozzetti - para falar de três paulistanos.Gente que vem batalhando há pelo menos uma década, em circuitoalternativo, e consegue dar as caras, somando talento, abnegaçãoe persistência, quando já começa a deixar a juventude para trás.Uma maldade.Mas tem sido assim, já que o grande mercado fonográficonão investe em novos talentos e o mercado alternativo temdificuldade em se fazer visível.É um poeta incisivo, que trata a questão amorosa e asquestões sociais com versos agudos e de algum sarcasmo - nunca écínico, no entanto. Suas canções estabelecem nova sintaxe para amúsica popular e são belas e fortes como o melhor que fez, porexemplo, Caetano Veloso.Nascido, criado e ainda morador de Santo André, KléberAlbuquerque venceu festivais, nos anos 90, afirmando-se pelaqualidade dos versos brilhantes aliados a canções construídascom aparente (e falsa) simplicidade e pela presença de cenaprovocativa. É um ator, carismático, envolvente.Em 2000, foi finalista daquele festival de músicaproduzido (e destruído) pela TV Globo, com a música Xi -De Pirituba a Santo André, um quebra-queixo em passo de xaxadofeito em parceria com outro grande compositor ainda desconhecido, o também paulista Rafael Altério. No mesmo ano, montou, com osparceiros e companheiros de geração - todos tambéminstrumentistas e cantores - Élio Camalle, Madan e Luiz Gayotto,um espetáculo que ficou seis meses em cartaz e foi gravado, emestúdio, nas primeiras horas do primeiro dia de 2001. Deu nodisco Umdoumdoum.Naquele ano, Kléber conquistou o primeiro lugar nofestival de música popular de Avaré com uma pequena obra-prima,a canção Logradouro, composta mais uma vez em parceria comRafael Altério.Amanhã Vai Virar Hoje é, revela Kléber, uma produção mais doque independente: é artesanal. "É quase uma autopirataria",brinca o compositor. Foram fabricados apenas 500 exemplares, uma um, em computador, embalados em capa de pano, usando asgravações já mencionadas do Sesc Pompéia, mais duas faixasregistradas durante show no Teatro Municipal de Santo André, emdezembro de 2001, uma gravação doméstica (Zabumbeiro doAmor) e uma única faixa de estúdio.São sete canções, todas assinadas por Kléber, uma únicacom parceiro - Ópera do Rinoceronte, com melodia de Madan. O convidado de Kléber para o show de amanhã é a cantoraMiriam Maria; nas próximas quintas-feiras participam a cantoraCeumar e o cantor e ator Gero Camilo.Mas Amanhã Vai Virar Hoje é só uma espécie de préviado disco que Kléber está gravando, todo em estúdio, já quasepronto. "Eu não queria deixar de mostrar as novas canções, eimaginei essa produção artesanal como primeiro registro,aproveitando as gravações ao vivo", conta.E o compositor avisa que, esgotados os 500 exemplares,não haverá nova prensagem do disco de cores circenses, ao mesmotempo denso e divertido, que revela versos assim: "Você tem dezamantes/ Você tem dez sapatos/ Um pra cada passo/ Em falso" - onome disso, senhores, é poesia.Kléber Albuquerque. Amanhã, às 21 horas. R$ 10,00 (estudantes) eR$ 20,00. Teatro Crowne Plaza. Rua Frei Caneca, 1.360, tel. (11) 289-0985. Até 30/1.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.