Kiko Dinucci em refinado mix de carimbó, salsa e samba

Compositor paulistano apresenta seu mais recente trabalho, 'Pastiche Nagô', no Ó do Borogodó na quarta

Livia Deodato, de O Estado de S. Paulo,

17 de junho de 2008 | 15h50

Não, não é afrobeat. Mesmo porque, nesse gênero, Kiko Dinucci só conhece Fela Kuti, e de sua música sabe muito pouco. Também não é só samba, ainda que a base de todo o trabalho que vem desenvolvendo há alguns anos seja calcada no ritmo, mais especificamente em canções nascidas e criadas na metrópole paulista, difundidas por mestres do calibre de Adoniran Barbosa, Geraldo Filme e Raul Torres.   Veja também: Ouça trecho de 'Engasga Gato', de Kiko Dinucci    Paulistano e urbano. É assim que o compositor define o seu mais recente disco, que apresenta na quarta-feira, 18, no Ó do Borogodó, ao lado do BandoAfroMacarrônico. O título do álbum, Pastiche Nagô, tem um significado que se estende ao nome do grupo que o acompanha: uma referência às nossas origens africanas, outras latinas e algumas americanas. "Quando minha mãe vai fazer alguma mistura para comermos, ela costuma dizer assim: ‘Vou preparar um pastiche.’ E põe um pouco de tudo na panela - macarrão, ovos, carne", conta, aos risos.   O álbum é assim também. Cada músico do Bando trouxe uma influência que, para muitos artistas, poderia soar bastante díspar e levar à desarmonia, mas que para eles foi como peneirar uma farinha de rosca sobre o feijão e ainda jogar uma pitada do caldo da pimenta-do-reino sobre a carne. A começar pelo próprio Kiko, que tem como primeiro instrumento o violão, mas nunca se deu muito bem com ele. "Gosto de tirar um som mais percussivo. Por isso, sempre admirei o Gilberto Gil, o João Bosco. Toco o violão como o baixo, mais ligado a um groove de funk", conta.   A vocalista Railídia, por sua vez, é paraense e adicionou à mistura o carimbó, enquanto o percussionista Julio Cesar trouxe um quê de música caribenha. Ouça quatro das faixas em http://afromacarronico.blogspot.com e diga se não é de dar água na boca.   Kiko Dinucci e BandoAfroMacarrônico. Ó do Borogodó. Rua Horácio Lane, 21, Pinheiros, telefone 3814-4087. Hoje, às 22 h. Ingressos R$ 15

Tudo o que sabemos sobre:
Kiko Dinucci

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.