Joshua Roberts/REUTERS
Joshua Roberts/REUTERS

Kennedy Center homenageia Lionel Richie e Gloria Estefan em festa anual sem a presença de Trump

Os Prêmios do Kennedy Center são considerados a maior honraria do país para artistas de várias áreas

Por Jeff Mason, Reuters

04 Dezembro 2017 | 11h50

Com a ausência notável do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, o Kennedy Center homenageou no domingo, 3, os cantores Lionel Richie e Gloria Estefan, o rapper LL Cool J, o produtor de televisão Norman Lear e a dançarina Carmen de Lavallade com prêmios artísticos.

Os Prêmios do Kennedy Center são considerados a maior honraria do país para artistas de várias áreas, e a importância do evento anual costuma ser sublinhada por uma recepção do presidente e da primeira-dama na Casa Branca. Mas não este ano.

Em agosto, a Casa Branca informou que Trump e sua mulher, Melania, não compareceriam para que os homenageados pudessem desfrutar da ocasião “sem qualquer distração política”. A recepção da Casa Branca também foi cancelada devido ao fato de alguns dos premiados terem dito que a boicotariam.

De Lavallade, de 86 anos, disse que decidiu que não poderia comparecer a tal evento depois de Trump dizer que extremistas de direita e esquerda tiveram culpa em um comício de supremacistas brancos realizado na Virgínia no qual uma mulher morreu. “Algo em minha alma... disse não”, contou ela aos repórteres.

O espetáculo propriamente dito transcorreu com pouca política e muitos astros. Músicos como Stevie Wonder, Quincy Jones e Kenny Rogers prestaram homenagem a Richie, dono de sucessos como Three Times a Lady e Say You, Say Me.

Gloria Estefan, cantora e compositora de 60 anos nascida em Havana, foi festejada por sua filha, Emily, que cantou uma versão comovente de Reach, um dos sucessos de sua mãe.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.